UOL Notícias Notícias
 
22/07/2010 - 16h40

ONU: desigualdade impede desenvolvimento da América Latina

SAN JOSÉ, 22 Jul 2010 (AFP) -O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) advertiu nesta quinta-feira que a desigualdade é uma séria ameaça para o desenvolvimento da América Latina, apesar de citar avanços alcançados pelo Brasil nos últimos oito anos, em relatório divulgado em San José.

"A América Latina e Caribe é a região mais desigual do mundo", afirma o relatório. "A alta e persistente desigualdade constitui um obstáculo para o avanço social da região. Ela freia o desenvolvimento humano".

Na região, "existem mecanismos tanto em nível doméstico quanto no sistema político que reforçam a reprodução da desigualdade" de uma geração a outra, diz o estudo.

O PNUD afirma que "é possível reduzir a desigualdade na região mediante ações concretas, integrais e eficazes, com políticas públicas que tenham alcance, amplitude e envolvimento dos cidadãos".

"Os planos contra a pobreza não são suficientes, são necessárias políticas contra a desigualdade", disse o coordenador do relatório regional, Luis Felipe López Calva, ao apresentar o estudo em uma coletiva de imprensa em San José.

O relatório destaca que 10 dos 15 países mais desiguais do mundo estão na América Latina e Caribe, e que, na região, os mais desiguais são Bolívia, Haiti e Brasil. No entanto, López esclarece que o Brasil foi "um dos países mais exitosos em reduzir a desigualdade nos últimos oito anos".

Por outro lado, os países com mais igualdade na região são Argentina, Costa Rica, Uruguai e Venezuela, de acordo com o PNUD.

A educação, o emprego formal e salários mínimos adequados, assim como acesso a serviços públicos, permitiriam reduzir a desigualdade, segundo o primeiro Relatório Regional sobre Desenvolvimento Humano para a América Latina e o Caribe 2010, que adverte que "a desigualdade reproduz desigualdade".

"A desigualdade é uma herança na América Latina", afirma López, economista-chefe do PNUD no tema da Pobreza na América Latina.

A desigualdade favorece "o clientelismo político, a corrupção e o frágil compromisso com a ação pública", disse, por sua vez, Isidro Soloaga, outro coordenador do relatório regional do PNUD.

Soloaga destacou que na região, os impostos incidem principalmente sobre o consumo, o que afeta os mais pobres, e não sobre a renda, como ocorre nos países desenvolvidos.

O relatório diz que alguns "programas como Comunidades Solidárias Urbanas de El Salvador ou Chile Solidário incorporaram alguns elementos dessa visão política" para combater a desigualdade.

O relatório adverte que o peso da desigualdade é tão alto na América Latina que se o Índice de Desenvolvimento Humano mundial, que o PNUD avalia anualmente há duas décadas, fosse corrigido levando em conta esse aspecto, a região cairia "mais de 15%" em seu nível de desenvolvimento humano.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,71
    3,168
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,12
    68.634,65
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host