UOL Notícias Notícias
 
26/07/2010 - 14h40

Sanções apertam o cerco ao Irã

BRUXELAS, 26 Jul 2010 (AFP) -A Europa e o Canadá adotaram nesta segunda-feira sanções de amplitude sem precedentes contra o Irã e seu setor energético para pressionar Teerã a retomar as negociações sobre seu programa nuclear controverso, uma estratégia que parece estar fazendo efeito.

A decisão da UE foi tomada durante uma reunião dos ministros das Relações Exteriores em Bruxelas. Em meio a isso, o governo canadense anunciou medidas de caráter semelhante.

A série de medidas europeias e canadenses transpõem em parte aquelas adotadas no dia 9 de junho pelo Conselho de Segurança da ONU, já que o Irã continua a se recusar a suspender suas atividades de enriquecimento de urânio, desmentindo as premissas de que estaria construindo armas atômicas. Mas elas também vão muito mais longe.

"Este é o pacote de sanções mais importante que a UE já adotou contra o Irã ou outro país qualquer", destacou um diplomata.

Os dois países querem atingir principalmente o setor das indústrias de petróleo e gás. A partir desta terça-feira, a UE proibiu qualquer novo investimento, assistência técnica ou transferência de tecnologia, especialmente para o refino de petróleo e a liquefação de gás.

Esse domínio é sensível: apesar de o Irã ser o quarto produtor mundial de petróleo, o país importa cerca de 40% de sua gasolina já que não possui capacidade de refinar e satisfazer sua demanda interna.

Além da energia, o setor iraniano do transporte por frete, via mar ou ar, será duramente atingido - o controle em portos europeus ou em alto mar será reforçado.

As trocas comerciais devem ser dificultadas, a atividade de oito novos bancos iranianos será proibida, as transações financeiras superiores a 40 mil euros com o Irã sem autorização especial serão interditadas e a lista de pessoas privadas de vistos ou vítimas de congelamento do direito vai sofrer um aumento visível.

Principal alvo: os Guardas da Revolução, o exército ideológico do regime.

"Espero que o Irã tenha entendido a mensagem. Os países europeus estão abertos a negociações sobre seu programa nuclear, mas, se ele não responder, nós vamos pressionar ainda mais", preveniu nesta segunda-feira o ministro britânico das Relações Exteriores, William Hague.

O Irã transmitiu nesta segunda uma resposta às perguntas do Grupo de Viena (Estados Unidos, Rússia, França) relembrando a proposta de troca de combustível nuclear feita em maio pelo país, ao lado do Brasil e da Turquia. Oferta julgada, na época, insuficiente pelas grandes potências.

Para o secretário de Estado francês das Relações Europeias, Pierre Lellouche, o objetivo das medidas é encaminhar o impasse a uma solução diplomática, mas para isso Teerã precisa aceitar discutir "seriamente" sobre seu programa nuclear. A proposição Irã-Turquia-Brasil "não resolvia todo o problema", argumentou.

Os europeus ainda têm esperança de que as negociações entre Irã e grandes potências do grupo 5+1 possam recomeçar em meados de setembro.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,40
    3,181
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    2,01
    70.011,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host