UOL Notícias Notícias
 
29/07/2010 - 23h54

Unasul propõe cúpula sobre crise Colômbia-Venezuela

QUITO, 29 Jul 2010 (AFP) -Equador, que ocupa a presidência rotativa da Unasul, defendeu a convocação de uma cúpula presidencial do bloco para tratar da ruptura diplomática entre Colômbia e Venezuela, ao final da reunião de chanceleres realizada nesta quinta-feira, em Quito.

"Convidamos os chefes de Estado para que, de forma direta, abordem os temas que analisamos nesta reunião", disse o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, após quatro horas de discussões entre os representantes dos doze países da União das Nações Sul-Americanas (Unasul).

Esta cúpula "será de muita utilidade" para Colômbia e Venezuela "em seu caminho visando uma solução à crise diplomática".

Patiño, que se reuniu, separadamente, com o chanceler colombiano, Jaime Bermúdez, e com seu colega venezuelano, Nicolás Maduro, no Palácio de Najas, sede do ministério equatoriano das Relações Exteriores, destacou que a decisão de convocar a Cúpula caberá ao presidente equatoriano, Rafael Correa, e ao secretário da União das Nações Sul-Americanas, Néstor Kirchner.

"Esperamos que ocorra nas próximas semanas", assinalou o chanceler. "Oxalá seja um segundo passo adiante na aproximação dos governos de dois povos irmãos".

O ministro revelou que a reunião de hoje não permitiu obter um documento de consenso, devido às amplas divergências entre os chanceleres Jaime Bermúdez e Nicolás Maduro.

"Nesta reunião não obtivemos um documento oficial firmado por cada um dos chanceleres porque persistem posições muito distantes, que não permitiram elaborar um texto final".

Patiño assinalou que estas divergências também não permitiram aprovar um mecanismo de "verificação" sobre a presença de guerrilheiros colombianos no território venezuelano.

"Mas os estados membros consideram que para se preservar a paz e a harmonia entre nossos países é necessário um claro compromisso contra a presença de grupos irregulares na região que desenvolvam atividades fora da lei e perturbem a paz em cada um de nossos países".

Em 22 de julho passado, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, rompeu relações com a Colômbia após Bogotá denunciar na Organização dos Estados Americanos (OEA) a presença de 1.500 guerrilheiros colombianos no território venezuelano.

O encontro em Quito ocorreu a pedido do governo venezuelano, que solicitou uma reunião "de emergência" para "denunciar as graves agressões" de Bogotá contra Caracas.

A Unasul é integrada por Brasil, Colômbia, Venezuela, Equador, Argentina, Bolívia, Chile, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname e Uruguai.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host