UOL Notícias Notícias
 
30/07/2010 - 18h00

Obama defende, em Detroit, ajuda concedida às montadoras em 2009

DETROIT, EUA, 30 Jul 2010 (AFP) -O presidente americano, Barack Obama, fez nesta sexta-feira uma forte defesa de seu plano de ajuda à indústria automobilística , qui a permis selon lui de préserver un million d'emplois, durante uma visita a diversas fábricas da região de Detroit, Michigan.

Depois de percorrer as cadeias de uma unidade de produção da Chrysler na cidade, onde estão as maiores montadoras do país, o presidente americano citou sua decisão de injetar 60 bilhões de dólares de dinheiro público para salvar tanto esta fabricante como seu competidor General Motors (GM) no início de 2009.

"Segundo estimativas independentes, teriam sido perdidos mais de 1 milhão de empregos caso a Chrysler e a GM tivessem fechado", declarou Obama.

"Se nada tivéssemos feito, não apenas seus empregos teriam desaparecido, mas também os das concessionárias, e as cidades que dependem (desses empregos) teriam sido apagadas do mapa", afirmou.

Ante um grupo de 1.500 operários, Obama comemorou porque "hoje em dia, pela primeira vez desde 2004, as três montadoras americanas são rentáveis", afirmou.

Além da Chrysler e GM, a Ford tem sua sede em Detroit.

A administração Obama está ávida por boas notícias na área econômica, a três meses de cruciais eleições para renovar parcialmente o Congresso. O desemprego, que se mantém em níveis muito altos para os Estados Uniods - 9,5%, segundo cifras oficiais - pesa sobre a popularidade da administração e dos democratas em geral. Os dados de crescimento do PIB no segundo trimestre (+2,4%), publicados no dia, foram decepcionantes.

"Devemos continuar aumentando essa taxa de crescimento e continuar criando empregos para que possamos seguir avançando", disse Obama.

Mas, afirmou, "o fato de estarmos nesta magnífica fábrica hoje justifica as decisões que tomamos e os sacrifícios que vocês e outros ainda estão prestes a fazer".

"Tenho confiança nos trabalhadores americanos, tenho confiança em vocês. Tenho confiança nesta economia!", afirmou o presidente, que esteve na fábrica da GM que produz o novo veículo híbrido, o Chevrolet Volt e tomou o volante do carro, percorrendo alguns metros, para marcar a renovação esperada da General Motors.

Depois de declarar falência, a GM conseguiu reembolsar os empréstimos concedidos pelos Estados americano e canadense em abril e registrou um lucro pela primeira vez em três anos, no primeiro trimestre.

O Estado deve ainda esperar o retorno em Bolsa da GM para se delastrar de sua parte de mais de 60%, ou mais de 50 bilhões de dólares.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host