UOL Notícias Notícias
 
31/07/2010 - 17h06

Vice-presidente da Venezuela pede paz com Colômbia

CARACAS, 31 Jul 2010 (AFP) -O vice-presidente da Venezuela, Elías Jaua, liderou neste sábado uma manifestação na cidade fronteiriça de Puerto Ayacucho para pedir paz com a Colômbia, e garantiu que seu governo combaterá "qualquer força irregular visando garantir a tranquilidade na fronteira".

"O presidente Hugo Chávez me pediu para vir até aqui para transmitir a vocês, aos povos da fronteira (...) a firme vontade do governo revolucionário de trabalhar pela paz de nossa pátria (...) e da irmã Colômbia", disse Jaua em um ato transmitido pela televisão estatal VTV.

Segundo Jaua, o governo Chávez "combaterá qualquer força irregular para garantir a paz na fronteira venezuelana". "Os fuzis do Exército da Venezuela não estão para disparar contra o povo colombiano, e sim para enfrentar o império americano (EUA)".

O vice-presidente dirigiu uma mensagem aos "irmãos da outra margem, aos irmãos colombianos", afirmando que há "um sentimento de solidariedade e carinho do governo de Hugo Chávez".

A manifestação, que contou com a participação de militantes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, no poder), ocorreu um dia após Chávez revelar que enviou "unidades militares" à fronteira com a Colômbia diante das "ameaças de guerra" do governo do presidente Alvaro Uribe.

A atual crise entre Venezuela e Colômbia explodiu na semana passada, quando Chávez rompeu relações com Bogotá devido à decisão de Uribe de denunciar na Organização dos Estados Americanos (OEA) a presença de mais de 1.500 guerrilheiros colombianos no território venezuelano.

Na véspera, ao anunciar a "mobilização de unidades militares" na fronteira com a Colômbia, Chávez afirmou que "Uribe é capaz de qualquer coisa nestes dias que lhe restam (de governo) e isto se tornou uma ameaça de guerra...".

Neste sábado, um porta-voz do governo em Bogotá garantiu que "a Colômbia jamais pensou em atacar o povo irmão da República Boliviariana da Venezuela, como afirma o presidente deste país em um claro engano para sua própria nação".

O assessor de imprensa da Casa de Nariño (sede do Executivo colombiano), César Velásquez, lembrou que "a Colômbia recorreu aos canais do Direito Internacional e continuará insistindo nesses mecanismos para que sejam adotados instrumentos que façam com que o governo venezuelano cumpra a obrigação de não abrigar terroristas colombianos".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host