UOL Notícias Notícias
 
02/08/2010 - 14h36

O essencial das tropas americanas fora do Iraque no final de agosto, como prometido (Obama)

ATLANTA, EUA, 2 Ago 2010 (AFP) -O essencial das tropas americanas deixará o Iraque no final do mês "como o prometido, e de acordo com as previsões", declarou nesta segunda-feira o presidente Barack Obama, num momento em que o país volta a mergulhar na violência.

"Quando era candidato à presidência, jurei pôr fim à guerra no Iraque de maneira responsável. Pouco após assumir as funções, anunciei uma nova estratégia para o Iraque e uma transição total (do controle do país) aos iraquianos", informou Obama durante um congresso de ex-combatentes, portadores de lesões de guerra, em Atlanta (Geórgia, sudeste).

"Fui claro em relação ao fato de que até o final do mês de agosto de 2010, a missão de combate americana no Iraque estaria terminada. É exatamente o que estamos fazendo, como o prometido, de acordo com as previsões", insistiu o presidente.

O Iraque registrou em julho seu mês mais mortífero em dois anos, com 535 mortos, entre eles 396 civis em episódios de violência, segundo as autoridades iraquianas. Este número foi contestado pelo exército americano, que evocou "222 mortos e 782 feridos".

Além disso, os dirigentes políticos do país não conseguiram formar um governo, cinco meses após as eleições legislativas.

"Mês que vem, nossa missão militar vai evoluir do combate ao apoio e ao treinamento das forças iraquianas de segurança", disse Obama.

Mas, admitiu, "essas tarefas são perigosas". "A verdade é que o sacrifício americano no Iraque não terminou", afirmou.

Obama, crítico da guerra no Iraque lançada em 2003 pelo predecessor George W. Bush, havia anunciado em 27 de fevereiro de 2009, logo após sua posse como presidente, a retirada gradual das forças americanas do Iraque.

Ele reforçou a presença do exército americano no Afeganistão, onde os efetivos triplicaram desde o início de seu mandato.

"Estamos confrontados a enormes dificuldades no Afeganistão. Mas é importante que os americanos saibam que realizamos progressos e que estamos concentrados nos objetivos bem definidos e acessíveis", estimou Obama.

No final de agosto, o Iraque terá apenas 50.000 soldados americanos, contra 144.000 quando Obama assumiu suas funções. De acordo com os termos do plano americano, os últimos elementos da força expedicionária terão deixado o Iraque no final de dezembro de 2011.

"Um debate vigoroso da guerra no Iraque aconteceu no nosso país. Há patriotas que apoiaram" a invasão do Iraque, "e patriotas que se opuseram", ademitiu o presidente.

"Mas não houve jamais divergências entre nós para apoiar os mais de um milhão de americanos de uniforme que serviram no Iraque", afirmou ele, jurando o que "cada um deles deve saber: nós cuidamos de vocês quando retornam".

Citou as ajudas aos ex-combatentes vítimas dos efeitos do "agente laranja" no Vietnã e da Síndrome da Guerra do Golfo, ou portadores de outras deficiências.

Obama também encorajou os que sofrem de estresse pós-traumático a não deixarem de lado as terapias. "Não é um sinal de fraqueza, mas uma questão de pedir ajuda", afirmou.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host