UOL Notícias Notícias
 
04/08/2010 - 20h10

Quarenta milionários dos EUA aceitam doar metade da fortuna

NOVA YORK, 4 Ago 2010 (AFP) -Quarenta milionários dos Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira aceitar doar metade de sua fortuna a obras de caridade, em resposta a uma iniciativa de Bill Gates e Warren Buffett.

"Apenas começamos e já recebemos uma resposta fantástica", disse Warren Buffett, o segundo homem mais rico dos Estados Unidos, com fortuna estimada em 47 bilhões de dólares, atrás de Gates, com 53 bilhões de dólares.

Gates e Buffet lançaram há um mês e meio a ideia, surgida durante um jantar para milionários, em Nova York, em maio de 2009.

David Rockefeller, Ted Turner, o prefeito de Nova York e homem mais rico da cidade, Michael Bloomberg, estão entre os que se somaram à iniciativa.

A lista inclui, ainda, o cineasta George Lucas, o fundador da Microsoft, Paul Allen, e o da Oracle Larry Ellison, criticados por sua "mão fechada".

"Até agora, fazia caridade discretamente porque sempre pensei que era uma questão privada e pessoal", disse Ellison em uma carta publicada no site da iniciativa, batizada de "Promessa de Dar".

Ellison disse ter mudado de política em resposta a um pedido de Buffett para "dar o exemplo" e estimular outros milionários a fazer o mesmo.

"Chamamos em torno de 70 ou 80 pessoas da lista Forbes", relatou Buffet à imprensa em conferência por telefone. "Foram anotados em torno de 40 nomes, é um começo fantástico", completou.

Aparentemente, a ideia era obter promessas, não do ponto de vista legal, mas moral, por parte dos mais ricos.

Não houve decisões sobre como ou quando o dinheiro será gasto. Em troca, cada membro do clube dará o exemplo, financiando projetos de saúde, educação e arte, o antes possível.

"As pessoas não podem esperar morrer para doar sua fortuna", disse Bloomberg, um empresário da imprensa e importante filantropo, cuja fortuna a Forbes estima em torno de 18 bilhões de dólares. "Para mim nunca houve muito sentido em ajudar o mundo a melhorar e não estar presente para ver a mudança".

Quase todos os que integram a lista ficaram ricos vindo "de baixo", como Bloomberg. Apenas alguns poucos provêm de fortunas estabelecidas por gerações anteriores, como David Rockefeller.

Mas não se trata de fazer votos de pobreza. Bloomberg disse que seus filhos nunca ficarão desamparados. Mas ainda assim, continuam tendo muito mais do que precisam. "Chega a uma determinada quantia que já não se consegue gastar".

Os bilionários começaram a ser mal vistos desde a crise financeira de 2008, e a iniciativa provavelmente é também uma operação de relações públicas para melhorar sua imagem.

"Os empresários criam desconfiança e as pessoas pensam que apenas se interessam por si mesmos", admitiu Tom Steyer, que fez fortuna no setor de banco de investimento e se somou ao clube dos generosos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,32
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,56
    63.760,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host