UOL Notícias Notícias
 
05/08/2010 - 19h49

BP lacra poço da maior tragédia ambiental dos EUA

NOVA ORLEANS, EUA, 5 Ago 2010 (AFP) -A BP concluiu a injeção de cimento para selar o poço de petróleo no Golfo do México que deu origem ao pior desastre ambiental na história dos Estados Unidos, ao final de uma operação de cinco horas, informou a companhia nesta quinta-feira.

"A BP completou a operação para selar o poço com cimento" às 19H15 GMT (16H15 Brasília), "dentro do procedimento 'static kill'", assinalou o grupo em um comunicado.

A companhia está monitorando o poço "para confirmar a efetividade do procedimento".

Segundo a BP, prossegue a operação 'bottom kill', com a construção de poços paralelos para chegar à parte inferior do poço danificado, sob a supervisão das autoridades americanas.

"Se as condições meteorológicas permitirem, é provável que em meados de agosto o primeiro poço esteja concluído".

A injeção de cimento no poço é uma das últimas etapas do procedimento 'static kill', que vedará definitivamente o poço de petróleo no fundo do mar no Golfo do México.

Antes de injetar o cimento, os técnicos haviam empurrado o petróleo para o fundo com um fluxo de lama no poço danificado, aplicado na terça-feira.

Após esta primeira operação, o governo americano deu sinal verde, na noite de quarta-feira, para a vedação definitiva do poço.

Na véspera, o presidente americano, Barack Obama, disse que "a longa batalha para deter o vazamento e conter o petróleo está finalmente chegando ao fim. E estamos muito contentes com isso".

Obama lembrou que os "esforços de recuperação continuarão", pois há de se "reverter o dano que foi feito".

A flora e a fauna submarinas se viram afetadas pelo vazamento durante três meses e sofrerão os efeitos da contaminação durante anos e, possivelmente, décadas, estimam os especialistas.

A maior tragédia ambiental da história americana teve início no dia 20 de abril, com a explosão da plataforma 'Deepwater Horizon', e até o final de julho mais de 780 milhões de litros de petróleo vazaram nas águas do Golfo do México, atingindo a costa de diversos estados dos EUA.

A mancha de óleo afetou os ecossistemas e a economia local de cinco estados do sul dos Estados Unidos: Alabama, Flórida, Louisiana, Mississippi e Texas.

Segundo o governo americano, cerca de 75% do petróleo derramado foi eliminado das águas, por evaporação, dispersão, queima ou coletado pelos barcos.

A catástrofe custará milhões de dólares para a BP, aos quais se soma o desprestígio causado pelas tentativas falhas de frear o derramamento e os erros de comunicação de seu presidente, Tony Hayward, que anunciou sua demissão para outubro.

Caso seja considerado culpado por negligência, o grupo poderá ter de pagar até 17,6 bilhões de dólares de multa. Também está previsto um fundo de 20 bilhões de dólares para indenizar pessoas físicas ou empresas afetadas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h39

    0,24
    3,287
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h49

    -0,50
    62.942,06
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host