UOL Notícias Notícias
 
05/08/2010 - 13h37

Textos íntimos de Marilyn Monroe revelam uma poetisa desconhecida

PARIS, 5 Ago 2010 (AFP) -Textos pessoais, cartas e poemas totalmente inéditos de Marilyn Monroe, que serão publicados em um livro a ser lançado em outubro próximo, levantam um véu sobre uma faceta desconhecida de um dos grandes ícones do século XX: sua alma de poeta.

Intitulado "Fragmentos", o livro editado pelo francês Bernard Comment e o produtor de cinema americano Stanley Buchthal, reúne também 33 fotos pessoais da trágica e sedutora artista, assim como trechos de seus diários íntimos, que revelam seu extraordinário amor pela literatura e os livros.

"Dezenas de livros foram escritos sobre Marilyn, mas esta é a primeira vez que se publica um livro com textos dela", explicou Comment à AFP, enfatizando que, pela primeira vez, é possível "inteirar-se de seu universo mental", através de seus próprios escritos.

"Ninguém suspeitava que no interior de seu corpo vivia a alma de uma intelectual e poeta", escreve o italiano Antonio Tabucchi no prefácio do livro, que chegará às livrarias entre 7 e 12 de outubro em vários países.

"Fragmentos" reúne dezenas de reproduções desses textos íntimos, escritos desde 1943 até às vésperas da morte da estrela, na madrugada de 5 de agosto de 1962.

Segundo Comment, a maior parte do livro diz respeito aos anos 1950, "no momento em que a estrela deixa Hollywood, onde triunfou, para instalar-se em Nova York", onde se matricula no mítico Actor's Studio, fundado por Lee Strasberg, que foi o herdeiro da fortuna de Marilyn.

"Seus textos mostram como Marilyn busca nela mesma sua própria verdade, para dar vida a seus melhores papeis, e para enfrontar os grandes textos", acrescenta Comment.

A literatura está muito presente nos textos de Marilyn, assim como os escritores que ela admirava.

Apesar de não fazer muitas referências diretas a escritores, a estrela loura em alguns de seus textos evoca o irlandês James Joyce, a quem descobriu em seu começo no Actor's Studio, ao interpretar, aos 26 anos, o mítico monólogo de Molly.

Ela também cita o grande poeta americano Walt Whitman, o dramaturgo irlandês Samuel Beckett e, é claro, Arthur Miller, outro dramaturgo com quem se casou depois de ter sido apresentada pelo prórpio Strasberg.

Marilyn Monroe possuía uma imponente biblioteca, onde estavam presentes todos os grandes escritores, recordou Comment.

Essa admirável biblioteca foi dispersada em um grande leilão da Christie's em 1999, em benefício de uma associação de caridade para escritores carentes.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host