UOL Notícias Notícias
 
06/08/2010 - 15h30

Más notícias econômicas para Obama a três meses das eleições

WASHINGTON, 6 Ago 2010 (AFP) -Uma série de más notícias econômicas desabam sobre a presidência de Barack Obama que, além disso, perdeu, de um só golpe, dois assessores de seu goberno na área, a menos de três meses das eleições de metade do mandato.

Afastado apenas o pesadelo da mancha de petróleo no Golfo do México nesta semana, a situação econômica sempre preocupante dos Estados Unidos volta a se fazer lembrar à equipe democrata no poder, sob o risco de ocultar suas conquistas em outros assuntos.

As cifras publicadas nesta sexta-feira mostraram que o país perdeu 131.000 empregos em julho, bem mais que o previsto. A taxa de desemprego estabilizou-se em 9,5%, historicamente a mais elevada após a recessão de 2008-2009 que custou mais de oito milhões de empregos.

Mesmo se os Estados Unidos tenham registrado crescimento num período de um ano, este ainda é frágil, de 2,4% no segundo trimestre.

A Casa Branca afastou a possibilidade de uma recaída na recessão, mas numerosos economistas advertem contra anos de estagnação econômica e desemprego elevado, comparáveis aos conhecidos pelo Japão nos anos noventa.

Insistindo sobre raros sinais positivos de um quadro globalmente desfavorável, Obama destacou nesta sexta-feira que o emprego vem "crescendo no setor privado há sete meses". Mas, para a própria presidência, este crescimento não é "suficiente para reduzir a taxa de desemprego".

"A recessão na qual poderemos retornar, foi a mais grave desde a Grande Depressão" dos anos trinta, lembrou Obama nesta sexta-feira. "Sabemos, também, que sair de uma recessão leva tempo", explicou o presidente, para quem "o caminho da retomada não é uma linha reta".

"Para os trabalhadores, as famílias e as pequenas empresas dos Estados Unidos, o progresso deveria chegar mais rápido", admitiu, apelando novamente ao Congresso a adotar medidas voltadas para estimular as contratações, bem mais modestas que os maciços 787 bilhões de dólares da primavera de 2009.

Mas os parlamentares, que precisam dar sua aprovação ao plano congelado, estão desde quinta-feira em recesso de cinco semanas. Na melhor das hipóteses, as medidas poderiam, então, ser votadas em meados de setembro.

É preciso destacar que os parlamentares estarão, nessa época, voltados inteiramente à campanha eleitoral do início de novembro, um pleito que deve renovar um terço das cadeiras do Senado e o conjunto das da Câmara de Representantes, atualmente controladas pelos democratas.

A oposição republicana, de uma minoria armada de bloqueio no Senado, não está disposta a dar qualquer presente a Obama, acusado de afundar o déficit e adotar uma política ineficaz para retomar o emprego.

Poderá, também, explorar duas defecções de peso na equipe econômica presidencial: após a saída anunciada no final de junho do diretor de Orçamento da Casa Branca, Peter Orszag, desta vez foi a principal assessora de economia de Obama, Christina Romer, que preferiu voltar a se dedicar ao ensino, como afirmou na quinta-feira.

Ante a adversidade, Obama entrou também na campanha. Multiplica os deslocamentos fora de Washington para mobilizar os democratas e defender suas conquistas: a reforma do seguro-saúde, a regulação das atividades de Wall Street e o resgate da indústria automotiva - sinônimo, segundo ele, de um milhão de empregos salvos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host