UOL Notícias Notícias
 
08/08/2010 - 15h30

Ex-paramilitares colombianos buscam controlar povoados no Equador, para o tráfico

QUITO, 8 Ago 2010 (AFP) -Grupos surgidos do desarmamento paramilitar na Colômbia buscam tomar o controle de aldeias equatorianas na fronteira para ampliar suas atividades de narcotráfico, denunciou o diretor de Inteligência da Polícia do Equador, Fabián Solano, em entrevista publicada neste domingo em Quito.

Trata-se do bando 'Aguilas Negras', surgido da desmobilização de 31.000 paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC, extrema-direita) entre 2003 e 2006, e integrado por alguns ex-combatentes.

"Estes grupos têm relação com o narcotráfico e tentam apoderar-se de algumas regiões, como acontecia na Colômbia", declarou Solano ao jornal El Comercio de Quito.

O oficial assinalou que esta e outras organizações armadas presentes na fronteira binacional de 750 km também "se dedicam a extorquir, assassinar, cobrar 'pedágio' a equatorianos que têm negócios nas províncias fronteiriças como Carchi, Sucumbíos e Esmeraldas".

As autoridades equatorianas detectaram igualmente que esses grupos pagam cifras "exorbitantes" pelo arrendamento de propriedades, em localização que facilita a produção e o tráfico de drogas da Colômbia para o Peru.

"Também são frequentes as ameaças e chantagens de que são objeto (os donos dessas propriedades). Então, há um silêncio" geral, acrescentou.

Solano assegurou que as redes de narcotraficantes no Equador "têm alguma relação" com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Negou que seu país "facilite" o tráfico, lembrando que só neste ano foram apreendidas 10 toneladas de drogas e dois submarinos dessa máfia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host