UOL Notícias Notícias
 
11/08/2010 - 14h28

Incêndios na Rússia põem Putin e Medvedev à prova

MOSCOU, 11 Ago 2010 (AFP) -Vladimir Putin apareceu no comando de um airtanker, ou bombardeiro de água; Dmitri Medvedev demitiu oficiais de alta patente, mas os incêndios florestais que atingem a Rússia deixam mal os dirigentes em relação à confiança dos russos.

"Atingimos o foco ?", perguntou o primeiro-ministro Vladimir Putin ao piloto do avião anfíbio ao lado de quem ele se apresentou na noite de terça-feira em todas as telas de televisão da Rússia, após ter largado toneladas de água no solo.

A resposta da imprensa moscovita nesta quinta-feira a uma questão sobre o homem forte do país não era necessariamente positiva: os focos de incêndio visados foram, talvez, apagados, mas quem sofre mais com a nova tragédia é o sistema de poder criado há dez anos pelo ex-agente da KGB.

Os dirigentes do país "combatem o fogo que eles mesmos permitiram alastrar em proporções catastróficas", destacava na manhã desta quarta-feira o jornal popular Moskovski Komsomolets.

O chefe de governo não deveria estar num avião; "ele é pago para organizar o trabalho dos ministérios e dos serviços de Estado", comentava igualmente o jornal Vedomosti.

Nos blogs e debates, as críticas são numerosas contra o poder e as pesquisas mostram que a popularidade de Putin e do presidente Medvedev caiu a níveis inéditos desde a crise financeira de 2008, mesmo se ainda seja muito cedo para medir o impacto dos incêndios no centro do poder na Rússia.

Segundo o instituto FOM, a cota de confiança o presidente Medvedev caiu em julho a 52%, contra 62% no começo do ano. A de Vladimir Putin também afundou para 69% e 61% no mesmo período.

Medvedev, amplamente oculto por seu primeiro-ministro nesta crise, anunciou por sua vez, em declarações divulgadas para todo o país na televisão pública, demissões em série, principalmente de autoridades militares depois que o fogo chegou a bases na região de Moscou.

Ele celebrou na Abkházia os dois anos de intervenção militar russa na Geórgia - um episódio destinado a despertar o orgulho nacional -, visitando aldeias e anunciando reformas.

Ao mesmo tempo, no entanto, os russos constataram a ineficácia dos serviços de socorro e a ausência total de prevenção da catástrofe que deixou o país em chamas.

Imagens não mostradas na televisão, mas divulgadas na internet mostraram Putin, durante visita a uma aldeia destruída, agredido com palavras por moradores que acusavam o Estado de abandoná-los à própria sorte.

Embora tenham se passado dez anos desde o naufrágio em 2000 do submarino nuclear Koursk, o site gazeta.ru dizia nesta quarta-feira que os incêndios deste verão poderão ser, para a popularidade do regime, uma catástrofe a mais.

"Há dez anos os críticos de Putin diziam que sua carreira havia naufragado com o Koursk e agora, com a tragédia deste verão", afirma o site ligado à oposição.

Ouvido pela AFP, o sociólogo Lev Goudkov, do Instituto independente Levada, suavizou os prognósticos.

"Os dois principais personagens do Estado fazem campanha intensa na mídia: Putin aparece de avião apagando o fogo, Medvedev demite, mas os dois distribuem dinheiro e isso agrada às massas", considera.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h09

    0,17
    3,271
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h14

    -0,50
    63.764,70
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host