UOL Notícias Notícias
 
20/08/2010 - 14h06

Especialistas descartam que usina nuclear do Irã crie perigo de proliferação

VIENA, 20 Ago 2010 (AFP) -A primeira usina nuclear iraniana, que entra em funcionamento neste sábado perto do porto de Busher (sul), não representa um perigo de proliferação atômica, apesar da persistente preocupação em relação às ambições nucleares de Teerã, afirmaram especialistas em Viena.

A usina, construída com ajuda da Rússia, terá uso unicamente civil e isso "está garantido cem por cento", declarou o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Riabkov, em Moscou.

Mas alguns observadores temem que o combustível usado em Busher possa ser utilizado na fabricação de armas atômicas.

Os especialistas consultados, no entanto, acham que as demais atividades nucleares do Irã (como enriquecimento de urânio, apesar das sanções do Conselho de Segurança da ONU) criam um perigo de proliferação muito maior.

Segundo Mark Fitzpatrick, do International Institute for Strategic Studies de Londres, "a central apresentará um perigo se o Irã a utilizar para outros fins", como, por exemplo, a fabricação de plutônio, com o que se pode fabricar armas nucleares. "Mas, neste caso preciso, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) saberia", acrescentou.

Inspetores da AIEA, que já vigiam as atividades nucleares declaradas pelo regime islâmico, acompanharão em campo a inserção de combustível no reator.

Além disso, a central se encontra sob regime da salvaguarda da AIEA, o que significa que seus inspetores vigiarão de perto o início da produção energética.

E se assegurarão de que o combustível usado em Busher acabe na Rússia para que o Irã não possa reutilizá-lo.

"Se o Irã tentar desviar o combustível usado para transformá-lo em plutônio ou utilizar o combustível de origem para enriquecê-lo a níveis mais altos, acabaremos sabendo", destacou Fitzpatrick.

Em sua opinião, as múltiplas declarações sobre os perigos de Busher "correm o risco de desviar a atenção dos verdadeiros perigos de proliferação que representam os centros de enriquecimento iranianos e o reator de pesquisa de Arak, que pode servir para produzir plutônio".

"A energia nuclear não é problema, ao contrário das tecnologias nucleares que podem ser usadas como armas", advertiu.

Segundo Mark Hibbs, do instituto de pesquisas Carnegie Endowment, "teoricamente cada reator nuclear é uma ameaça de proliferação no sentido de que o combustível utilizado pode ser desviado e reutilizado para fabricar plutônio para bombas".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,22
    3,142
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,67
    70.477,63
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host