UOL Notícias Notícias
 
23/08/2010 - 14h06

Sequestro de ônibus em Manila termina com pelo menos sete turistas mortos

MANILA, 23 Ago 2010 (AFP) -Pelo menos sete turistas de Hong Kong foram assassinados e um ficou gravemente ferido nesta segunda-feira à noite em Manila, hora local, quando a polícia invadiu um ônibus no qual quinze pessoas estavam sendo mantidas reféns há doze horas por um ex-policial filipino, que foi morto.

Quatro reféns foram retirados vivos do veículo após a intervenção policial. Não se sabe o que aconteceu com as outras pessoas que ficaram no ônibus.

Segundo a polícia, o sequestrador, de 55 anos, foi morto por um atirador de elite enquanto tentava usar os reféns como "escudo humano".

"Até o momento temos cinco vítimas. Quatro são mortes confirmadas e a quinta está em condições críticas", declarou à AFP por telefone Faith Gaerlan, diretor de emergências do centro médico. Outros dois hospitais receberam três corpos, de acordo com os respectivos serviços de emergência.

A polícia de Manila não estava em condições de fornecer um registro exato do número de pessoas mortas e das que sobreviveram. Mas o governo de Hong Kong confirmou a morte de sete de seus cidadãos, declarando-se "muito decepcionado" com este episódios.

Alguns minutos antes da intervenção, o sequestrador afirmou que tinha atirado em dois reféns. "Atirei em dois chineses. Vou acabar com todos se eles não pararem", havia declarado enquanto os policiais preparavam a invasão.

"Estou vendo policiais das forças especiais chegando. Sei que vão me matar. É melhor todos saírem porque, a qualquer momento, posso fazer a mesma coisa aqui", amenaçou à rádio Mindanao Network.

Tiros foram ouvidos perto do ônibus.

O sequestrador, um ex-policial expulso da corporação, armado com um fuzil M16, entrou no ônibus na segunda-feira de manhã estacionou perto de um parque no centro de Manila, com mais de vinte de pessoas a bordo.

A polícia iniciou então longas negociações com o criminoso.

Ao longo do dia, o homem, que queria recuperar seu emprego e conversar com a imprensa, libertou sete turistas, entre eles um idoso e três crianças, além de dois filipinos. O motorista do veículo conseguiu fugir por uma janela quebrada do veículo.

Policial condecorado em 1986 como um dos dez melhores oficiais do país, Mendoza foi expulso em 2008 da polícia, acusado de roubo, de extorsão e de infrações ligadas a drogas.

As autoridades consulares chinesas nas Filipinas tinham pedido durante o dia uma saída pacífica para a crise. "É uma tragédia que uma viagem de lazer termine com mortos e feridos", declarou nesta segunda-feira à noite o chefe do Executivo de Hong Kong, Donald Tsang.

As autoridades de Hong Kong anunciaram que dois aviões da companhia Cathay Pacific serão fretados pelas famílias dos reféns e pediram aos seus cidadãos que não viajem para as Filipinas.

O ônibus de turistas tinha sido fretado por uma agência de turismo de Hong Kong, a Hong Thai. O incidente lembra um sequestro ocorrido em 2007 em Manila, quando 30 crianças foram mantidas reféns por um homem com problemas psicológicos armado com uma granada, que os libertou após dez horas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host