UOL Notícias Notícias
 
25/08/2010 - 09h43

Embraer investiga causas de acidente com um de seus aviões na China

PEQUIM, 25 Ago 2010 (AFP) -A fabricante de aviões Embraer enviou uma equipe à China para participar da investigação da catástrofe aérea de terça-feira, que provocou a morte de 42 pessoas.

Uma aeronave modelo ERJ-190 com 96 pessoas a bordo se partiu em dois antes de pegar fogo ao tentar aterrissar. As caixas-pretas já foram localizadas e devem ajudar os especialistas a entender as causas do acidente, ao qual 54 passageiros sobreviveram.

"A Embraer destacou uma equipe de técnicos, que já se dirige para o local (do acidente) com o objetivo de apoiar as autoridades aeronáuticas chinesas na investigação", indicou a empresa brasileira.

Neste momento, há três indícios importantes sobre a tragédia.

Em primeiro lugar, segundo a agência Xinhua, várias companhias aéreas chinesas reportaram recentemente problemas técnicos com seus ERJ-190, enquanto a Autoridade de Aviação Civil chinesa (CAAC) organizou, no ano passado, um estudo sobre a aeronave - no qual são mencionados problemas nas turbinas e uma disfunção dos sistemas de controle de voo.

Além disso, o avião tentava pousar no aeroporto de Yichun, na província de Heilongjiang, a 150 km da fronteira russa, em meio a uma espessa névoa que reduzia a visibilidade no momento para menos de 300 metros, de acordo com um agente da polícia local citado pelo Global Times.

Por fim, a companhia China Southern Airlines havia suspendido em 2009 seus voos noturnos para o aeroporto de Yichun por motivos de segurança.

Após o acidente, a Henan Airlines decidiu deixar no solo três de seus quatro ERJ-190, que operam outras rotas, informou a rádio nacional da China, acrescentando que a aeronave que se acidentou tinha apenas dois anos de uso.

Em seu comunicado, a Embraer - terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo - expressou "suas profundas condolências e desejo de rápida recuperação a familiares e amigos das pessoas que perderam a vida ou ficaram feridas".

Às 21H30 (13H30 GMT), o ERJ-190 da Henan Airlines errou a aterrissagem quando se aproximava da pista, partindo-se em dois e pegando fogo em seguida.

A bordo havia 91 passageiros e cinco membros da tripulação. Com excessão de um taiwanês, todos eram chineses.

O piloto está entre os sobreviventes, mas sofreu queimaduras graves no rosto e não está em condições de falar sobre o acidente, segundo a Xinhua.

Um sobrevivente relatou na televisão o pânico dos passageiros no momento do acidente.

"O avião balançou umas cinco ou seis vezes, de maneira violenta. As bagagens dos compartimentos de bordo acima dos passageiros começaram a cair", contou.

"Eu gritava para as pessoas do fundo que andassem em direção à saída de emergência (...), mas elas empurravam com força para a frente. As chamas cresciam cada vez mais", acrescentou.

De acordo com as autoridades locais, alguns passageiros foram arremessados para fora do avião antes que ele tocasse o solo e pegasse fogo.

Foi a pior catástrofe aérea na China desde o acidente de uma aeronave da Eastern Airlines na Mongólia, em 2004, que matou 55 pessoas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host