UOL Notícias Notícias
 
26/08/2010 - 09h25

China ordena inspeções em grande escala após catástrofe com avião da Embraer

PEQUIM, 26 Ago 2010 (AFP) -O governo da China ordenou inspeções de segurança em grande escala nos aviões do país após a queda de uma aeronave da companhia regional Henan Airlines, fabricada pela brasileira Embraer, na qual morreram 42 pessoas, uma catástrofe que continua sem explicação e que acabou com seis anos de segurança total nos céus do país.

Na terça-feira à noite, um Embraer ERJ-190 da Henan Airlines não conseguiu pousar e se partiu em dois ao lado da pista do aeroporto de Yichun (nordeste), a 150 km da fronteira com a Rússia. Cinquenta e quatro pessoas sobreviveram à queda.

A caixa-preta foi encontrada rapidamente, mas o motivo do "pouso prematuro" do avião, a dois quilômetros da pista, permanece uma incógnita.

A única certeza dos investigadores é que não se trata de um ato de sabotagem.

O presidente chinês Hu Jintao e o primeiro-ministro Wen Jiabao determinaram uma investigação e a inspeção dos aviões para "eliminar qualquer risco".

Várias companhias aéreas importantes do país, como a China Eastern e a China Southern, convocaram reuniões para reforçar as medidas de segurança, informou a agência ofical Xinhua (Nova China).

O diretor geral da Henan Airlines, Li Qiang, foi demitido.

Os analistas destacaram que a catástrofe representou o fim de seis anos de segurança nos céus da China.

Antes da tragédia, a aviação civil do país havia registrado 2.102 dias sem acidentes, "o período mais longo na história da China", destacou uma fonte da CAAC (Administração Chinesa de Aviação Civil), citado pelo jornal em língua inglesa China Daily.

Quinze dos 54 sobreviventes feridos estão internados em um hospital de Harbin, a capital provincial. Entre as pessoas em estado grave está o vice-ministro de Recursos Humanos, Sun Baoshu.

A Embraer expressou condolências às famílias das vítimas e enviou uma equipe de técnicos para acompanhar as investigações.

"É a primeira vez que um avião da Embraer se vê envolvido em um acidente fatal", declarou à AFP um porta-voz da empresa, a terceira maior fabricante de aviões do mundo.

As companhias chinesas possuem 30 ERJ-190 e quatro deles pertencem à Henan Airlines, sem contar o avião da tragédia, que estava em uso desde 2008. No total, 74 aeronaves da Embraer de diversos modelos estão em serviço na China, de acordo com o China Daily.

Recentemente, várias companhias aéreas chinesas informaram problemas técnicos em seus ERJ-190, como por exemplo com as turbinas, e de falhas nos sistemas de controle de voo. Em junho de 2009, a CAAC organizou uma reunião sobre a questão, segundo a Xinhua.

A CAAC destacou que o aeroporto de Yichun - reaberto na quinta-feira - tem condições de receber pousos noturnos.

"As normas de segurança estão garantidas, mas não são comparáveis às dos grandes aeroportos", declarou Li Jian, subdiretor da CAAC.

Em setembro do ano passado, a companhia China Southern decidiu não realizar mais pousos noturnos em Yichun por motivos de segurança, informa o Diário da Juventude de Pequim.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h30

    -0,50
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h37

    -0,72
    75.062,73
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host