UOL Notícias Notícias
 
30/08/2010 - 17h00

Polícia Federal mexicana expulsa 10% de seu efetivo


México

A Polícia Federal mexicana, na linha de frente na luta contra os cartéis das drogas, destituiu 3.200 agentes, ou seja, 10% de seu contingente, suspeitos de terem cometidos crimes ou de terem violado o regulamento, anunciou nesta segunda-feira o seu diretor.

Cerca de 1.500 outros serão destituídos em uma segunda etapa, anunciou o chefe da Polícia Federal, Facundo Rosas, no momento em que a instituição tenta recuperar sua imagem.

"Pelas faltas com seus deveres previstos no regulamento, 3.200 elementos foram excluídos", declarou Rosas durante uma entrevista coletiva à imprensa. Esses agentes não passaram nos "testes de confiança", enquanto 465 eram alvos de queixas por supostos crimes.

Os policiais expulsos serão vigiados para evitar que adotem uma "conduta ilegal", acrescentou.

A Polícia Federal está na linha de frente da luta contra os cartéis, com a ajuda de 50.000 militares, e contava com 34.500 agentes antes das duas ondas de destituições - um processo em curso há vários meses.

A instituição não tem uma boa imagem junto à população e foi acusada em diversas oportunidades de "corrupção".

Organizações de defesa dos Direitos Humanos a denunciaram por não ter protegido suficientemente os imigrantes clandestinos que vão aos Estados Unidos, após o massacre de 72 deles descoberto na semana passada próximo a San Fernando, na fronteira americana, e atribuído à gangue dos Zetas.

Este bando foi formado no final dos anos 90 por ex-militares de elite que passaram para o outro lado, aliando-se no começo ao cartel da droga, o "do Golfo", do qual se tornaram, mais tarde, adversários mortais.

Sua atividade não se limita ao tráfico de droga, mas se estende ao tráfico de combustível e a sequestros de imigrantes clandestinos, em troca de resgate ou para recrutá-los à força.

Um sobrevivente da matança de San Fernando contou que membros da gangue tentaram recrutá-los por 2.000 dólares mensais, mas depois foram abatidos, devido à recusa.

Nos últimos anos, policiais foram presos no sul do México por terem participado ativamente de sequestros.

Os ajustes de contas entre cartéis e seus confrontos com a Polícia e o Exército deixaram 28.000 mortos desde a chegada do presidente Felipe Calderón ao poder, em dezembro de 2006, segundo dados oficiais.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,22
    3,142
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,67
    70.477,63
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host