UOL Notícias Notícias
 
31/08/2010 - 12h01

Jornal iraniano volta a atacar Carla Bruni e diz que ela merece a morte

PARIS, 31 Ago 2010 (AFP) -O jornal iraniano ultraconservador Kayhan, que chamou Carla Bruni, esposa do presidente francês Nicolas Sarkozy, de prostituta, voltou a atacá-la, dizendo que ela "merece a morte por sua vida privada imoral", insultos que o ministério das Relações Exteriores da França classificou como inaceitáveis.

O Kayhan, que costuma fazer declarações insultantes e excessivas contra dirigentes iranianos e estrangeiros, publicou no sábado uma matéria na qual chama Carla Bruni de prostituta. Alguns dias antes, a primeira-dama saíra em defesa da iraniana condenada ao apedrejamento por acusações de adultério e homicídio.

A chancelaria francesa reagiu aos insultos nesta terça-feira.

"Nós comunicamos às autoridades iranianas que os insultos proferidos pelo jornal Kayhan e repetidos pelos sites iranianos a respeito de inúmeras personalidades francesas, como a sra. Carla Bruni-Sarkozy, são inaceitáveis", indicou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Bernard Valero.

"Espero que todos os meios de comunicação tenham cuidado. Pode-se criticar a política hostil de alguns países ou o comportamento dos dirigentes de outros países e expressar protesto, mas não se pode usar palavras insultantes. Isso não é correto", acrescentou.

O governo iraniano, por sua vez, desaprovou a situação.

"A República Islâmica não aprova o insulto contra dirigentes de outros países", declarou o porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Ramin Mehmanparast, indagado sobre o tema durante seu encontro semanal com a imprensa.

A imprensa iraniana, por outro lado, se absteve de acompanhar o Kayhan, que com frequência termina nos tribunais por causa de seus excessos.

No entanto, na segunda-feira, o site www.inn.ir, do grupo de notícias controlado pelo governo do Irã, voltou a comentar a 'imoralidade' de Carla Bruni e afirmou que "os meios de comunicação ocidentais, ao detalhar os inúmeros antecedentes de imoralidade, confirmaram implicitamente que Bruni merece esse título".

O artigo de Kayhan denunciando o apoio de Carla Bruni a Sakineh Mohammadi-Ashtiani, condenada ao apedrejamento por adultério e participação no assassinato do marido, tinha um título forte: "As prostitutas francesas participam no tumulto sobre os direitos humanos".

O texto classificava Carla Bruni "de atriz e cantora depravada, que desfez a família de Sarkozy e se casou com o presidente francês".

Denunciou igualmente a intervenção da "atriz corrompida (Isabelle) Adjani" no caso.

Carla Bruni-Sarkozy afirmou em 23 de agosto, em uma carta aberta, que a "França não abandonará Mohammadi-Ashtiani.

O Irã anunciou no início de julho a suspensão da sentença de apedrejamento e a revisão do caso.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host