UOL Notícias Notícias
 
31/08/2010 - 16h31

Massacre em Cancún algumas horas depois da prisão de 'La Barbie' no México

MÉXICO, 31 Ago 2010 (AFP) -Oito pessoas morreram na madrugada desta terça-feira em um ataque com coquetéis molotov contra um bar no turístico balneário mexicano de Cancún, poucas horas depois da prisão de um dos narcotraficantes mais procurados do México, Edgar Valdez "La Barbie", apresentado nesta terça-feira à imprensa.

A detenção ocorreu em um momento oportuno para o governo de Felipe Calderón, que vem enfrentando na última semana uma escalada da violência atribuída ao crime organizado, desencadeada depois da descoberta do masacre de 72 imigrantes de cinco países latino-americanos em um rancho de Tamaulipas (nordeste), supostamente, por membros do cartel de Los Zetas.

O ataque foi executado por pelo menos seis homens que viajavam em um veículo e que lançaram as bombas incendiárias contra o bar, cujo dono já havia denunciado tentativas de extorsão supostamente por parte de Los Zetas.

O promotor do estado de Quintana Roo, Francisco Alor Quezada, disse que seis pessoas morreram no local e que outras duas não resistiram aos ferimentos quando eram atendidas por médicos. "Deve haver uma motivação bastante forte", ressaltou.

O ataque ocorreu na madrugada desta terça-feira após o anúncio da captura no México do americano Edgar Valdez Villareal, um dos narcotraficantes mais procurados do país, por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de 2 milhões de dólares.

Valdez, nascido há 37 anos na cidade texana de Laredo, na fronteira com o México, foi apresentado nesta terça-feira à imprensa na capital junto com outros seis presos na operação policial.

O chefe da Polícia Federal, Facundo Rosas, não descartou que o narcotraficante possa ser enviado aos Estados Unidos, onde têm processos abertos em pelo menos três tribunais.

Apresentado à imprensa em meio a fortes medidas de segurança, Valdez se mostrou relaxado e até sorridente frente às câmeras.

Considerado um chefão em ascensão, "La Barbie" -por seu cabelo ruivo e olhos claros- disputava com extrema violência desde dezembro o controle do cartel dos irmãos Beltrán Leyva depois da morte do antigo líder, Arturo Beltrán, em uma operação militar em dezembro de 2009.

Valdez ganhou reputação no mundo do crime por seu caráter sanguinário, que, segundo a polícia se manifestou com dezenas de assassinatos de seus rivais nos últimos meses na cidade turística Cuernavaca (centro) e no balneário Acapulco (sur).

As vítimas de "La Barbie" geralmente eram decapitadas ou sofriam graves mutilações, e muitas foram penduradas em pontes após a execução.

Na segunda-feira, as autoridades de Veracruz, estado vizinho a Tamaulipas, informaram sobre oito mortes, após várias horas de confrontos entre militares e um grupo de pistoleiros, que pertenceria a Los Zetas.

Los Zetas são liderados por militares de elite que desertaram na década de 90 para trabalhar com o Cartel do Golfo, mas que se tornaram um grupo independente e adversário de seus antigos aliados, que agem na mesma região.

Estas organizações travam um conflito que, segundo um relatório oficial, explicaria 80% das mais de 28.000 mortes atribuídas ao narcotráfico desde que Calderón assumiu o poder em dezembro de 2006, ordenando a mobilização do Exército para combater os traficantes.

De acordo com a imprensa mexicana, a organização à qual pertencia Valdez havia se aliado em 2008 aos Los Zetas contra o cartel do Pacífico, liderado pelo foragido Joaquín 'El Chapo' Guzmán, narcotraficante mais procurado pelos Estados Unidos e considerado o chefão mais poderoso.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h40

    0,42
    3,171
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h43

    0,31
    74.671,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host