UOL Notícias Notícias
 

Terremoto no Japão

Um dos maiores tremores da história desencadeia um tsunami, provoca mortes e deixa um rastro de destruição no Japão

  • Imagem: Reprodução
13/07/2011 - 07h06

Japão deve tentar abrir mão da energia nuclear, Naoto Kan


Em Tóquio

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, afirmou nesta quarta-feira que o país deveria tentar prescindir da energia nuclear no futuro, quatro meses depois da catástrofe nuclear de Fukushima.

"Levando em consideração a gravidade do acidente, já não se pode afirmar que a política executada até agora garanta a seguranã da exploração da energia nuclear. Devemos mos esforçar para construir uma sociedade que possa existir sem a energia nuclear", afirmou o chefe de Governo de centro-esquerda em uma entrevista coletiva.

O premier afirmou que é necessário revisar por completo a política energética do Japão, que antes da crise de Fukushima havia previsto elevar a participação da eletricidade nuclear na produção total do país a mais de 50% até 2030, contra 30% em 2010.

Kan declarou ser partidário de uma "redução progressiva" da participação da energia nuclear em favor das energias renováveis (solar, eólica, biomassa, etc.), com o objetivo final de abandoná-la totalmente.

Mas o primeiro-ministro não apresentou um calendário para abandonar a energia nuclear.

O Japão tem atualmente 54 reatores, mas 35 estão paralisados em consequência de terremotos ou para manutenção. Kan ordenou testes de resistência antes de uma decisão sobre a retomada das atividades.

Na quinta-feira, o Parlamento japonês retomará os debates sobre um projeto de lei para as energias renováveis.

Veja mais

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,85
    3,308
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h22

    0,25
    72.607,70
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host