UOL Notícias Notícias
 
02/11/2011 - 13h43

"Ocupem Wall Street" batalha para registrar o nome como marca

France Presse
Nova York, EUA, 2 Nov 2011 (AFP) -Apenas seis semanas depois da criação, o movimento "Ocupem Wall Street" (OWS) já pediu para registrar o nome como marca, ante a batalha iniciada para aproveitar a atração que alguns imaginam que a venda de produtos com a frase desperta.

O movimento nascido em Nova York provoca interesse tanto pelos temas que aborda - crescentes desigualdades, poder do mundo das finanças - como pela renda que pode gerar a partir de produtos como camisas e gorros com o nome.

Em 24 de outubro, os ativistas do OWS, que acampam desde meados de setembro na Praça Zuccotti, perto de Wall Street, decidiram apresentar uma demanda para registrar o nome do movimento à agência governamental americana de marcas e patentes.

"Há varias organizações que tentam ficar com a marca 'Occupy Wall Street'", explicou à AFP o advogado que atua no caso, Samuel Cohen.

"O movimento apresentou o pedido puramente a título defensivo, para ter certeza de poder continuar utilizando o nome sem ter que lutar contra outras organizações", disse.

De fato, outras pessoas, sem qualquer vínculo com o OWS, já apresentaram pedidos para registrar a marca.

Entre eles está um casal de Long Island (estado de Nova York), Diane e Robert Maresca, que pretendem utilizar a marca em camisas, gorros, guarda-chuvas, bolsas esportivas e mochilas, entre outros produtos.

Robert Maresca afirmou que teve a ideia após perceber o sucesso das camisas impressas de maneira artesanal e distribuídas - em troca de doações - na Praça Zuccotti.

Poucas horas antes do OWS apresentar a demanda, Vincent Ferraro, dono da Fer-Eng, uma empresa com sede no Arizona, também pediu para registrar a marca com propósitos similares.

"Não estou vinculado de nenhum modo com o OWS. Estou no setor empresarial. E a informação, seja através de marcas registradas, nomes de sites na internet ou dados analíticos, é a riqueza do século XXI", afirma Ferraro na solicitação.

Cohen destacou que, ao contrário dos 'rivais', o OWS já utiliza a marca.

Os ativistas têm um diário, produzem camisas de forma artesanal e também têm um site na internet.

"Estamos muito confiantes", completou o advogado.

bd/fp

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,16
    4,193
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h22

    0,47
    106.556,88
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host