PUBLICIDADE
Topo

Coreia do Sul: suboficial estava no comando na hora do naufrágio

De Seul (Coreia do Sul)

17/04/2014 23h45

Um suboficial, e não o capitão, pilotava a balsa no momento da tragédia em águas sul-coreanas há dois dias, informou a Justiça nesta sexta-feira (18).

Por enquanto os dados oficiais contabilizam 179 resgatados com vida, 26 mortos e 270 desaparecidos, a maioria jovens estudantes de 16 e 17 anos, que se presume estarem dentro do navio.

"Era o terceiro-tenente que estava no comando no momento do acidente", declarou o procurador-geral Park Jae-eok, em entrevista coletiva.

"O capitão não estava no leme", revelou.

Violentamente criticado pelas famílias dos desaparecidos por abandonar a embarcação quando centenas de passageiros estavam presos, o capitão Lee Joon-seok estava na "na popa", acrescentou o procurador.

As causas do acidente ainda são desconhecidas. Vários passageiros disseram ter ouvido um forte ruído, quando a balsa parou de repente. Isso pode significar que o barco encalhou, batendo no fundo, ou que se chocou contra algum objeto submerso.

Alguns especialistas também sugerem que a carga da balsa, que transportava 150 veículos, tenha se deslocado e desequilibrado a balsa.

O capitão garantiu que não bateu em rocha alguma.$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-infografico','/2014/naufragio-de-balsa-em-seul-na-coreia-do-sul-1397768276453.vm')

Cercado pela imprensa na sede da Guarda Costeira, ele pediu desculpas na quinta-feira (17). "Sinto muito, de verdade, pelos passageiros, pelas vítimas e pelas famílias", declarou.

Os pais dos estudantes acusam o governo, os socorristas e a tripulação da balsa de incompetência.

Notícias