Riad convoca embaixador do Irã após declarações 'agressivas' de Teerã

Riad, Arábia Saudita, 2 Jan 2016 (AFP) - A Arábia Saudita convocou o embaixador do Irã para protestar contra declarações "agressivas" de Teerã, após a execução, neste sábado, do clérigo xiita Nimr Baqer al-Nimr - anunciou o Ministério das Relações Exteriores de Riad.

O Ministério "enviou ao embaixador iraniano (...) uma carta de protesto referente às declarações iranianas agressivas a respeito das sentenças legais aplicadas hoje (sábado) contra terroristas no reino", de acordo com a nota publicada pela agência oficial de notícias SPA.

Riad responsabilizou o governo iraniano "pela proteção" das missões diplomáticas sauditas em seu território.

Além disso, o reino acusou o Irã de apoiar o "terrorismo".

Al-Nimr, que por mais de uma década estudou Teologia no Irã, fazia parte de um grupo de 47 xiitas e sunitas executados neste sábado por "terrorismo".

O Ministério das Relações Exteriores do Irã, uma potência xiita com relações tensas com a Arábia Saudita, prometeu que Riad pagará "um preço alto" pela morte del Al-Nimr.

Em nota divulgada hoje, o porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby, considerou que a execução de Al-Nimr ameaça "exacerbar as tensões sectárias, no momento em que se deve acalmá-las".

"Os Estados Unidos pedem ao governo da Arábia Saudita que permita que a oposição se expresse pacificamente", acrescentou o porta-voz da diplomacia americana.

No comunicado, Kirby ressalta a "particular preocupação" do governo americano com a execução do líder religioso, a qual deflagrou indignação de comunidades muçulmanas xiitas ao redor do mundo - incluindo a do Irã - e de organizações de direitos humanos.

O xeque Nimr Baqer al-Nimr, de 56 anos, é um crítico feroz da dinastia Al-Saud, no poder.

Em 2011, ele liderou um movimento de protesto no leste do país, onde vive grande parte da minoria xiita, uma comunidade que se sente marginalizada no reino.

Em outubro de 2014, o líder xiita foi condenado à morte por "rebelião", "desobediência ao soberano" e "porte de armas" por um tribunal de Riad especializado em casos de terrorismo.

abh-lyn/al/mer/feb/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos