Dinamarca e Suécia criam controles para impedir entrada de migrantes

Copenhague, Dinamarca, 4 Jan 2016 (AFP) - A Dinamarca instaurou nesta segunda-feira controles em suas fronteiras com a Alemanha para impedir a entrada de migrantes sem documentos, anunciou o primeiro-ministro Lars Løkke Rasmussen, no mesmo dia em que a Suécia adotou a mesma medida na fronteira dinamarquesa.

Após as decisões, o governo da Alemanha expressou sua preocupação de que o espaço Schengen de livre circulação dentro da União Europeia está em perigo.

"A livre circulação é um bem preciosos, declarou o porta-voz do ministro das Relações Exteriores Frank-Walter Steinmeier, Martin Schäfer.

"O espaço Schengen é muito importante e está em perigo", enfatizou.

"O fato de que outros países nórdicos fechem suas fronteiras pode ter grandes consequências para a Dinamarca. Isso pode provocar mais pedidos de asilo", declarou, por sua vez, à imprensa o premier Rasmussen, que lidera um governo liberal disposto a limitar as chegadas de migrantes ao país.

A Suécia também passará a exigir a partir desta segunda-feira um documento de identidade para cruzar, de trem ou carro, a ponte de Öresund, principal porta de entrada ao país para os refugiados, para tentar frear o fluxo de migrantes que chegam diariamente a sua fronteira.

Desde a meia-noite, na estação dinamarquesa de Kastrup, no aeroporto de Copenhague, de onde saem os trens para a Suécia, foram estabelecidos registros sistemáticos.

A partir de agora, todos os viajantes a caminho da Suécia deverão apresentar um documento de identidade (passaporte, carteira nacional de identidade ou carteira de motorista), uma medida que diz respeito também aos passageiros de trem que atravessam o Estreito de Öresund, informou o ministro de Imigração, Morgan Johansson.

A Suécia restabeleceu em 12 de novembro os controles em suas fronteiras, mas apenas em alguns pontos e de forma aleatória.

Mas os dispositivos, somados ao endurecimento das condições de estada no país, tiveram um efeito imediato, fazendo diminuir fortemente o número de chegadas desde meados de novembro.

A Suécia, onde há mais de 20% de residentes de origem estrangeira, recebeu até agora os refugiados de braços abertos. Com 9,8 milhões de habitantes, o país escandinavo acolheu mais de 160.000 no último ano e espera outros 170.000 para 2016.

Os controles de identidade sistemáticos, no entanto, terão forte impacto nas comunicações entre a Suécia e a Dinamarca, em particular para as 8.600 pessoas que usam diariamente a ligação entre Copenhague e Malmö, terceira cidade sueca.

Também incidirão no tráfego ferroviário, com menos trens, e são esperados atrasos de 10 a 50 minutos em relação aos horários habituais.

As medidas também desagradaram a Dinamarca, que recebe apenas 18.000 pedidos de asilo por ano e teme que os migrantes rejeitados pela Suécia fiquem em seu território.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos