Ministro da Defesa venezuelano quer militares fora da briga política

Caracas, 5 Jan 2016 (AFP) - O ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino, exigiu nesta segunda-feira que se mantenha o poder militar fora da polêmica gerada pela decisão do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) de suspender a eleição de três deputados opositores.

"Não corresponde à FANB (Força Armada Nacional Bolivariana) elucidar e muito menos arbitrar decisões do TSJ", escreveu Padrino no Twitter.

O TSJ suspendeu temporariamente a diplomação de três deputados da Mesa da Unidade Democrática (MUD) eleitos pelo estado do Amazonas (sul), o que poderá impedir sua posse nesta terça-feira, ameaçando a maioria qualificada de dois terços (112 de 167 cadeiras) da oposição.

Padrino afirmou que "setores políticos" pretendem vincular o poder militar venezuelano "no que não lhe corresponde".

"A FANB não é um órgão para subverter a ordem constitucional e nem para ignorar a institucionalidade democrática, muito menos para dar golpes de estado".

O deputado opositor Henry Ramos Allup, que presidirá o Parlamento, disse nesta segunda-feira em entrevista coletiva que confia na Força Armada para garantir a ordem na instalação da Assembleia Nacional.

Ramos Allup disse ainda que "nenhuma sentença do TSJ pode suspender uma totalização que já se produziu", ratificando a decisão da MUD de desafiar o TSJ e dar posse aos 112 deputados opositores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos