Bomba H, infinitamente mais poderosa que Hiroshima

Paris, 6 Jan 2016 (AFP) - As bombas H de hidrogênio, do tipo que a Coreia do Norte afirma ter testado com sucesso, têm poder infinitamente superior às bombas A, tais como as lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki em 1945.

A Coreia do Norte afirmou nesta quarta-feira que realizou com sucesso seu primeiro teste com bomba de hidrogênio, muito mais poderosa do que bomba atômica ordinária, um anúncio recebido com grande ceticismo por especialistas.

As bombas A liberam uma energia desencadeada pela fissão de elementos como urânio ou plutônio. As de hidrogênio - ou termonucleares - utilizam em primeiro lugar a técnica de fissão, em seguida, a de fusão nuclear numa reação em cadeia.

Nenhuma bomba H foi até à data utilizada fora de disparos de testes. Os arsenal nuclear estratégico americano, mas também, sem dúvida, o da Rússia, é composto exclusivamente por este tipo de bomba, mas sob uma forma miniaturizada, de poder altamente variável.

- A bomba H, "bomba de hidrogênio" ou ainda "termonuclear", baseia-se no princípio de fusão nuclear e libera energia superior às temperaturas e pressões mais elevadas do centro do sol.

Quando uma bomba de hidrogênio explode, explosões químicas, nucleares e termonucleares se sucedem em um período infinitesimal de tempo. Uma primeira bomba de fissão provoca um aumento acentuado na temperatura que provoca a fusão.

Em 1º de novembro de 1952, os Estados Unidos detonaram secretamente este novo tipo de bomba nas Ilhas Marshall, no Oceano Pacífico.

Um ano mais tarde, a União Soviética anunciou um disparo termonuclear.

O poderio da maior bomba de hidrogênio que já explodiu, a soviética "Tsar Bomba", em 30 de outubro de 1961 acima do Ártico, foi de 57 megatoneladas, um poder, teoricamente, cerca de 4.000 vezes maior do que a bomba de Hiroshima.

- A bomba A, vulgarmente conhecida como "bomba atômica", utiliza o princípio da fissão de átomos. Duas matrizes foram desenvolvidas, uma de urânio enriquecido e outra de plutônio.

A explosão da primeira bomba deste tipo, em julho de 1945 no deserto americano do Novo México, revelou o poder destrutivo desta energia.

O poder da bomba de urânio lançada sobre Hiroshima foi de 15 quilotoneladas (0,015 megatoneladas). A da bomba de Nagasaki, de plutônio, de poder comparável (17 quilotoneladas), o equivalente a 17.000 toneladas de TNT.

Quatro anos mais tarde, a União Soviética detonou sua primeira bomba, em 29 de agosto de 1949, no deserto do Cazaquistão.

- A técnica de miniaturização é um passo fundamental, pois permite montar uma arma nuclear em ogivas de mísseis.

De acordo com Pyongyang, a bomba H testada era um míssil "miniaturizado". Em maio de 2015, a Coreia do Norte afirmou ser capaz de lançar ogivas nucleares miniaturizadas em foguetes de precisão de longo alcance. Mas a Casa Branca não acredita que este país é capaz de miniaturizar uma arma atômica.

- Pelo menos nove países possuem armas nucleares no mundo.

Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU são considerados potências nucleares oficiais: Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha e França.

A Índia (1974) e o Paquistão (1998) se juntaram ao clube nuclear, bem como Israel, que nunca reconheceu, no entanto.

A Coreia do Norte, que anunciou seu primeiro teste de bomba de hidrogênio, testou em três ocasiões uma bomba atômica: em 2006, 2009 e 2013, o que lhe valeu várias sanções internacionais.

Finalmente, o Irã assinou com as grandes potências (EUA, França, Estados Unidos, Rússia, China e Alemanha), em julho de 2015, um acordo nuclear que prevê a limitação do programa nuclear iraniano em troca de um levantamento parcial e reversível das sanções internacionais.

dch-acm/vdr/pt/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos