Conselho de Segurança da ONU discute teste nuclear da Coreia do Norte

Nova York, 6 Jan 2016 (AFP) - O Conselho de Segurança das Nações Unidas iniciou nesta quarta-feira uma reunião de consultas de emergência em Nova York, depois que a Coreia do Norte anunciou um bem-sucedido teste com uma bomba de hidrogênio.

A reunião entre os embaixadores dos 15 países-membros do Conselho foi solicitada por Estados Unidos e Japão.

O órgão já informou que prepara "medidas adicionais" contra a Coreia do Norte e "condenou energicamente" o teste nuclear, classificando-o como uma "clara ameaça para a paz e a segurança internacional".

O embaixador uruguaio Elbio Rosselli, que preside o Conselho este mês, lembrou que o organismo tinha alertado que tomaria "significativas medidas adicionais" se Pyongyang violasse as resoluções da ONU, realizando testes atômicos.

Várias resoluções da ONU proíbem Pyongyang de lançar qualquer atividade nuclear sob pena de ser alvo de sanções.

"Em linha com este compromisso e em vista da gravidade desta violação, os membros do Conselho de Segurança começarão a trabalhar imediatamente sobre estas medidas em uma nova resolução do Conselho de Segurança", disse Rosselli.

O diplomata não especificou se a nova medida estenderá as sanções contra a Coreia do Norte, mas outros enviados confirmaram que a adição de novos nomes à lista de sanções está sendo considerada.

É uma "violação flagrante das resoluções do Conselho" e requer uma resposta "enérgica" como o reforço das sanções internacionais, declarou o representante permanente adjunto do Reino Unido, Peter Wilson, no encontro, reconhecendo que "não conhecemos ainda de maneira definitiva (...) a natureza desse teste".

O anúncio do teste nuclear foi recebido com grande ceticismo por especialistas, ao mesmo tempo em que deflagrou condenações imediatas no mundo todo.

"Eu o condeno de forma inequívoca e peço à RPDC (Coreia do Norte) que cesse qualquer outra atividade nuclear", disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, aos jornalistas antes da reunião do Conselho de Segurança.

O teste dessa bomba de hidrogênio seria mais potente do que os testes nucleares precedentes.

"O primeiro teste de bomba de hidrogênio da República foi realizada com sucesso às 10h (23h30 de terça, horário de Brasília)", anunciou a televisão oficial norte-coreana.

O país se soma, assim, "aos Estados nucleares avançados", reforçou o apresentador, acrescentando que a bomba testada era uma "miniatura".

Países vizinhos, como Coreia do Sul e Japão, assim como França e Reino Unido condenaram o teste. A Casa Branca prometeu uma reação apropriada às "provocações" norte-coreanas, mas declarou que a evidência "não é consistente" com uma explosão de bomba H.

"As análises iniciais não são consistentes com a reivindicação da Coreia do Norte" de que fez um teste bem sucedido com uma bomba de hidrogênio, disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnst.

Principal aliada da Coreia do Norte, a China disse "se opor firmemente" ao teste.

Nas regiões chinesas mais próximas ao centro de testes nucleares norte-coreano, vários prédios foram evacuados depois que os habitantes "sentiram claramente os abalos", indicou a imprensa oficial.

O anúncio desse teste de uma bomba H é uma surpresa. Pyongyang afirma que foi ordenado, pessoalmente, pelo dirigente norte-coreano Kim Jong-un, dois dias antes de seu aniversário.

Cada um dos três testes nucleares anteriores da Coreia do Norte (outubro de 2006, maio de 2009 e fevereiro de 2013) derivou no reforço de sanções internacionais, principalmente no setor financeiro e contra empresas vinculadas à atividade nuclear, ou balística norte-coreana.

Ceticismo dos especialistasNo mês passado, o dirigente norte-coreano, Kim Jong-un, deu a entender que seu país havia concluído a bomba H, uma declaração que suscitou dúvidas entre os especialistas internacionais.

O ceticismo não foi menor nesta quarta.

"Os dados sismológicos sugerem que a explosão foi consideravelmente menos forte do que se esperaria de um teste de bomba H", declarou o especialista australiano em Política Nuclear Crispin Rovere.

"À primeira vista, parece que realizaram um teste nuclear com êxito, mas não conseguiram realizar a segunda etapa, a da explosão de hidrogênio", completou.

"Se, de verdade, fosse uma bomba H, os níveis na escala Richter (de sismo) precisaram ter sido 100 vezes mais potentes, até chegar a sete, ou mais", indicou o especialista em Defesa Bruce Bennett, da Rand Corporation, advertindo para o perigo de radiação na zona próxima às instalações nucleares.

As primeiras suspeitas sobre um novo teste norte-coreano foram feitas por sismólogos que detectaram um sismo de magnitude 5,1 perto da principal instalação de testes nucleares da Coreia do Norte, no nordeste do país.

A organização responsável pela aplicação do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares, com sede em Viena, declarou ter detectado uma atividade sísmica "incomum" na Coreia do Norte.

A maioria dos especialistas acreditava em que Pyongyang ainda precisaria de anos para desenvolver uma bomba termonuclear, mas estavam divididos sobre a capacidade norte-coreana de miniaturizar a arma atômica, uma etapa decisiva na produção de ogivas nucleares.

Uma bomba de hidrogênio, ou termonuclear, utiliza a técnica da fusão nuclear e produz uma explosão muito mais potente do que uma deflagração por fissão, gerada apenas por urânio ou plutônio.

Seja, ou não, uma bomba H, esse quarto teste nuclear norte-coreano constitui uma afronta flagrante para inimigos e aliados do regime norte-coreano.

Impulso em favor de sançõesO fato de que as sanções internacionais não tenham impedido a Coreia do Norte de seguir adiante e realizar um novo teste reforça os apelos por reações mais duras.

O embaixador russo na ONU, Vitali Tchurkin, convidou membros do Conselho a "manter a calma" e disse esperar que se chegue a uma "resposta apropriada", sem dar mais detalhes sobre ela.

"Vamos trabalhar com outros em uma resolução sobre as sanções adicionais", disse aos jornalistas o embaixador britânico no órgão, Matthew Rycroft.

Em 2014, o presidente americano, Barack Obama, classificou a Coreia do Norte como "Estado pária" e prometeu sanções mais duras, em caso de novo teste nuclear.

Já Pequim busca a retomada do diálogo a seis - entre as Coreias do Norte e do Sul, China, Estados Unidos, Rússia e Japão - sobre o programa nuclear norte-coreano, em ponto morto desde 2008.

Os especialistas estimam que Pyongyang tem, hoje, plutônio para fabricar até seis bombas. Desconhecem se o regime utilizou urânio, ou plutônio, em seu teste de 2013.

ckp-jhw-cml/sst/ja/cd/cn/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos