Grécia é pressionada a melhorar controle na fronteira com a Turquia

Amsterdã, 25 Jan 2016 (AFP) - A Grécia enfrentava nesta segunda-feira a pressão de seus parceiros europeus para controlar melhor sua fronteira com a Turquia, a principal porta de entrada de migrantes na União Europeia (UE), em uma reunião em Amsterdã, também dedicada à luta contra o terrorismo.

Numa segunda frente, o encontro informal dos ministros do Interior da UE, sem decisão esperada, foi mais uma oportunidade para os 28 Estados-membros discutirem a partilha de informações, o principal desafio do novo Centro Europeu de Combate ao Terrorismo, lançado oficialmente nesta segunda-feira.

Os ministros do Interior também pediram à Comissão Europeia para que lance um procedimento que permita estender por dois anos o restabelecimento dos controles nas fronteiras internas do espaço Schengen.

O período máximo destes restabelecimentos é normalmente de seis meses.

Seis países restabeleceram seus controles, incluindo Dinamarca, Suécia, França, Áustria e Alemanha.

A Áustria voltou a apontar Atenas, que ela já havia ameaçado no sábado de "exclusão temporária" do espaço Schengen de livre circulação. O espantalho não foi agitado por outros, mas vários ministros também instaram a Grécia a fazer um esforço.

"É um mito que a fronteira greco-turca não pode ser protegida, a marinha grega tem capacidade suficiente para garantir essa fronteira", declarou a ministra austríaca do Interior, Johanna Mikl-Leitner.

Se a Grécia não agir, "a fronteira externa da Europa vai mudar para a Europa Central", advertiu Mikl-Leitner em sua chegada à reunião.

Schengen ameaçadoSeu contraparte alemão, Thomas de Maizière, também exortou a Grécia a "fazer a lição de casa", mas sem usar o mesmo tom ou endossar as ameaças de exclusão, juridicamente impossível.

"O fato é que queremos salvar Schengen, queremos soluções europeias comuns, mas o tempo está se esgotando", disse Maizière, acreditando que o ponto-chave é uma rápida implementação do acordo da UE com a Turquia para conter o fluxo de imigrantes para a Europa.

Em Ancara, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, afirmou nesta segunda-feira que os três bilhões de euros prometidos por Bruxelas à Turquia para manter os imigrantes em seu território, principalmente refugiados sírios, estaria disponível "dentro de um prazo razoável".

A Itália e a Espanha também pediram um reforço no controle das fronteiras externas, mas também insistiram que não se deve "isolar" a Grécia.

A Comissão Europeia foi "convidada" pelos ministros da UE a se preparar para ativar o artigo 26 do Código de Schengen.

Para o ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, "não vamos precisar chegar a este extremo", se os europeus implementar rapidamente medidas como o reforço dos controles nas fronteiras externas ou a partilha necessária informação na luta contra o terrorismo.

Novo centro de contra-terrorismoA partilha de informações entre os europeus na luta contra o terrorismo foi o outro grande tema da reunião de Amsterdã, durante a qual deve ser apresentado oficialmente o novo Centro Europeu de Combate ao Terrorismo no âmbito da Europol, o gabinete europeu de polícia.

Trata-se de "uma estrutura permanente, decidida a nível político, que estabelece pela primeira vez na Europa um centro de operações dedicado que funciona em todo o continente em questões sensíveis terroristas", explicou no sábado à AFP o diretor da Europol, Rob Wainwright.

Esta plataforma deve atender a uma das principais lacunas na luta contra o terrorismo a nível europeu: o compartilhamento insuficiente de informação entre os Estados, que não confiam o suficiente para trabalhar em conjunto no domínio sensível da inteligência.

Também estão previstas discussões sobre a questão dos "combatentes estrangeiros" e a luta contra o tráfico de armas.

"Vamos colocar uma pressão considerável sobre as instituições e os Estados-Membros da União Europeia", advertiu o ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve.

O objetivo "é sair da reunião com um projeto de calendário", com a vontade "de colocar em prática as primeiras ações concretas no final do primeiro trimestre de 2016", acrescentou Cazeneuve.

Depois do encontro entre os ministros nesta segunda, na terça-feira será a vez dos ministros da Justiça dos 28 países da UE se reunirem em Amsterdã para discutir a luta contra os crimes digitais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos