OMS alerta que zika vírus deve afetar quase todo continente americano

Genebra, 25 Jan 2016 (AFP) - O zika vírus, transmitido por mosquitos e suspeito de provocar más-formações fetais, deve atingir todo o continente americano, com exceção do Canadá e Chile, advertiu a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O vírus já está presente em 21 dos 55 países e territórios das Américas, afirma a OMS em um comunicado.

O zika, quando acomete uma mulher grávida, está sendo associado a casos de microcefalia nos bebês, que nascem com uma caixa craniana particularmente pequena.

Mas, de acordo com a nota oficial, o mosquito Aedes Aegypti, que transmite o zika vírus, assim como dengue e chikungunya, já está presente em todos os países do continente, com exceção de Chile e Canadá.

Por este motivo, a agência da ONU prevê que "o zika vírus continuará a expansão e provavelmente afetará todos os países e territórios da região com presença do Aedes Aegypti".

A OMS explica que como a população do continente não ficou exposta ao vírus antes do registro de casos no Brasil, em maio do ano passado, carece de imunidade, o que permite a propagação da doença com mais rapidez.

Ao abrir a reunião do comitê executivo da organização nesta segunda-feira em Genebra, sua diretora, Margaret Chan, disse que "a propagação explosiva do zika vírus a novas áreas geográficas com escassa imunidade entre a população é motivo de preocupação, sobretudo pelo possível vínculo entre as infecções durante a gravidez e as crianças nascidas com microcefalia".

Chan destacou que "o vínculo causal entre a infecção pelo zika vírus na gravidez e a microcefalia não foi comprovado", mas que os indícios existentes "são sugestivos e extremamente preocupantes".

Um forte aumento do número de casos na América Latina, especialmente no Brasil, onde ocorrerão as Olimpíadas, levou os Estados Unidos e outros países a lançarem alertas às mulheres grávidas que viajam para a região.

Em 2015, 3.174 casos de microcefalia em recém-nascidos foram registrados no Brasil e são ligados ao zika vírus contraído pela mãe, segundo o ministério da Saúde brasileiro. Antes, havia uma média de 160 casos ao ano.

Colômbia, Equador, El Salvador e Jamaica recomendaram às mulheres que evitem engravidar, conselho também adotado por parte das autoridades brasileiras - embora o discurso oficial recomende apenas a prevenção contra o mosquito.

A OMS informou que o método de prevenção mais eficaz é manter-se longe das áreas com água parada, onde os mosquitos afluem, e se proteger com repelentes, assim que dormir com mosquiteiros.

Segundo a OMS, o vírus se transmite pelo sangue.

"Se descreveu um possível caso de transmissão sexual entre duas pessoas", indicou a OMS, que destacou a necessidade de mais testes para comprovar a hipótese.

Não há cura nem vacina contra o zika, apenas tratamentos para os sintomas. Suas manifestações são mais frequentemente do tipo gripal (febre, dor de cabeça, dores no corpo) com erupções cutâneas, e se manifestam entre 3 a 12 dias após a picada do mosquito.

nl-mnb/gca/cel/mm

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos