Hillary e Sanders apresentam diferenças em encontro com eleitores

Des Moines, Estados Unidos, 26 Jan 2016 (AFP) - Experiência contra idealismo: Hillary Clinton e Bernie Sanders apresentaram na segunda-feira aos democratas de Iowa suas diferenças, a uma semana do início das primárias presidenciais dos Estados Unidos.

Os pré-candidatos responderam as perguntas dos eleitores em um programa organizado pelo canal CNN e a Universidade Drake em Des Moines, Iowa (norte).

Enérgica, Hillary Clinton citou as pesquisas que mostram que seu principal rival no partido, Sanders, está quase empatado com a ex-chefe da diplomacia neste pequeno estado, onde ela sofreu a primeira derrota nas primárias de 2008 para Barack Obama.

Uma pesquisa da Fox News atribui 48% das intenções de voto para Hillary Clinton, contra 42% para Bernie Sanders em Iowa.

"É uma campanha difícil, é normal", admitiu.

"É o trabalho mais duro do mundo. Você escolhe um presidente e um comandante em chefe".

A pré-candidata apresentou como principal argumento o fato de ser a única com experiência para assumir "todos os aspectos do trabalho" de presidente.

Ela recordou sua experiência como secretária de Estado (2009-2013), seu trabalho com Israel e os palestinos e acordo nuclear com o Irã.

Também citou a tentativa de reformar o sistema de saúde em 1993, quando era primeira-dama.

"Vocês precisam de alguém que já provou que é capaz de lutar", disse Hillary.

Um pouco antes, Bernie Sanders, estimulado pelo avanço nas pesquisas e pela grande presença de eleitores em seus comícios, demonstrou que não concorda com as palavras de Clinton.

Ele atacou Hillary por ter votado em 2002, quando era senadora, a favor de autorizar o então presidente George W. Bush a utilizar a força contra o Iraque de Saddam Hussein.

"A votação mais importante para as Relações Exteriores que tivemos na história moderna foi a votação da guerra do Iraque. Eu votei contra a guerra do Iraque", afirmou Sanders, senador por Vermont.

"A experiência é importante, mas o bom julgamento é mais importante ainda", insistiu o pré-candidato de 74 anos, que afirmou estar em boas condições de saúde.

Durante o programa, Sanders tentou suavizar a imagem de socialista e garantiu aos eleitores que poderá reunir a maioria necessária para vencer a eleição presidencial de novembro.

Ao citar como exemplos os países escandinavos e a Alemanha, disse: "As ideias que proponho não são radicais. Não podemos continuar com um Estado dominado pelos multimilionários".

"Precisamos de uma mudança ousada. Precisamos de uma revolução política", completou, antes de criticar a "cobiça de Wall Street" e o "corrupto sistema de financiamento eleitoral".

A uma eleitora preocupada com a classificação "socialista democrático", o pré-candidato democrata respondeu que se trata simplesmente de defender o direito "à segurança econômica".

"O Estado tem que desempenhar um papel para que todas as crianças, independente de seus recursos, tenham um nível de educação suficiente".

O terceiro pré-candidato democrata, o ex-governador de Maryland Martin O'Malley, também participou no programa de TV e pediu a seus partidários que "resistam" ao caucus da próxima segunda-feira.

Os caucus são reuniões em que os participantes expressam a sua preferência eleitoral e votam, geralmente, em várias rodadas.

Martin O'Malley aparece com apenas 3% das intenções de voto em Iowa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos