Rohani se despede da Itália e prossegue viagem pela França

Roma, 27 Jan 2016 (AFP) - O presidente iraniano, Hassan Rohani, encerrou nesta quarta-feira sua visita à Itália, para viajar posteriormente à França, segunda etapa de um giro que marca a aproximação entre a República Islâmica e os países europeus após o levantamento das sanções.

O presidente iraniano assinará em Paris importantes contratos comerciais, assim como ocorreu em Roma, abrindo um novo capítulo nas relações comerciais e políticas do Irã, país que esteve isolado por anos.

Itália e França eram, antes das sanções impostas ao Irã, em 2006, dois de seus principais sócios econômicos europeus, e querem recuperar seu lugar neste país rico em petróleo e gás.

Teerã já anunciou um amplo acordo com o fabricante europeu de aviões Airbus, com a compra de 114 aeronaves, enquanto na Itália foram assinados quinze acordos de um valor total de 15 a 17 bilhões de euros.

Rohani concluiu sua etapa italiana com um percurso pelo Coliseu e uma coletiva de imprensa, na qual atacou novamente a Arábia Saudita, seu vizinho árabe, com quem a tensão aumentou repentinamente desde o início do ano.

O presidente iraniano se negou a pedir desculpas após o incêndio no início de janeiro na embaixada saudita em Teerã durante os protestos pela execução de um religioso xiita crítico do regime saudita.

Para Rohani, é necessário que a Arábia Saudita tome "decisões corretas" para reduzir a tensão entre os dois países.

O influente príncipe saudita Turki al Faisal convocou nesta terça-feira em Paris o Irã a pedir desculpas pelo incêndio, o que foi rejeitado pelo líder iraniano, também clérigo xiita.

A rivalidade entre os dois países é secular e eles competem indiretamente nos conflitos da região, especialmente em Síria, Iraque e Iêmen.

Rohani, que viaja acompanhado por uma delegação de mais de uma centena de empresários e seis ministros, chega à Europa com o objetivo de reforçar suas relações econômicas.

Rohani se encontrará na quinta-feira com os empresários franceses e com o presidente François Hollande, com quem deverá participar de uma coletiva de imprensa conjunta, indicaram fontes oficiais francesas.

Na terça-feira, em meio à nata empresarial e industrial italiana reunida para a ocasião, Rohani fez um convite para que invistam mais no Irã.

"O Irã é o país mais seguro e mais estável de toda a região", disse.

Neste mesmo dia foi recebido pela primeira vez no Vaticano pelo papa Francisco, que pediu que se envolva na pacificação do Oriente Médio.

O Irã "pode jogar um papel importante no Oriente Médio para promover soluções políticas adequadas que detenham a propagação do terrorismo e o tráfico de armas na região", disse o Vaticano em um comunicado.

Associações de defesa dos direitos humanos lamentaram que durante a visita de Rohani à Itália não tenha sido discutido o espinhoso tema dos direitos humanos nem o da abolição da pena de morte.

Tanto o Vaticano quanto a Itália estiveram na linha de frente na batalha contra a pena de morte em todo o mundo.

bur-kv/jz/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos