Trump, Merkel e moradores das ilhas gregas entres aspirantes ao Nobel da Paz

Oslo, 1 Fev 2016 (AFP) - O pré-candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, os habitantes das ilhas gregas que têm ajudado os refugiados, os atores do processo de paz na Colômbia, o papa Francisco e a chanceler alemã Angela Merkel são alguns dos aspirantes ao prêmio da Paz, cujas indicações devem ser apresentadas nesta segunda-feira.

Há muitas pessoas (ministros, parlamentares, ex-vencedores do prêmio, acadêmicos) autorizados pelo regulamento a apresentar candidaturas, que costumam ser secretas.

O Instituto Nobel tem a obrigação de aceitá-las, mas isso não significa que irá apoia-las.

Este ano, 630.000 pessoas assinaram até esta segunda-feira uma petição para que o Nobel seja dado aos habitantes das ilhas gregas que têm socorrido os milhares de migrantes que chegam todos os dias em seu litoral.

Apoiada por acadêmicos, a campanha não deve vingar, uma vez que o prêmio só permite um máximo de três laureados.

Assim, um grupo de cientistas gregos propuseram o nome de três pessoas: um octogenário e um pescador de Lesbos, bem como a atriz americana Susan Sarandon, primeira personalidade a visitar a ilha para sensibilizar a opinião pública.

"Imagine 900.000 visitantes que precisam de ajuda e que batem à porta de um estabelecimento relativamente modesto (...) E o que fazem? Eles abrem a porta, e isso é incrível!", escreveu o arcebispo sul-africano Desmond Tutu, ganhador do Nobel Paz em 1984, e em apoio a esta campanha.

Tutu também expressou apoio à candidatura de uma fundação que exige o fim das armas nucleares e a de outras três pessoas, incluindo o papa Francisco, por seus esforços ecológicos e luta contra o "consumismo e a ganância".

Entre os candidatos há nomes mais inesperado, como o pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, o magnata Donald Trump.

Kristian Berg Harpviken, diretor do Instituto de Pesquisa sobre a Paz em Oslo (Prio), teve acesso à carta de candidatura pedindo que o prêmio seja entregue para Trump por "sua ideologia de paz pela força, utilizada como uma arma de dissuasão contra o Islã radical, o Estado Islâmico, o Irã nuclear e a China comunista".

O comitê de cinco membros que seleciona o vencedor se reunirá pela primeira vez em 29 de fevereiro e o prêmio será atribuído em outubro.

Segundo Harpviken, Edward Snowden, que revelou a existência de um vasto sistema de espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA) americana, também poderia vencer o prêmio.

Na briga, ainda figuram os negociadores do acordo sobre o programa nuclear iraniano (o americano Ernest Moniz e o iraniano Ali Akbar Salehi), bem como os protagonistas do processo de paz na Colômbia, o presidente Juan Manuel Santos e o líder das Farc, Timoleon Jimenez.

A chanceler alemã Angela Merkel segue este ano na lista de favoritos, assim como o ginecologista Denis Mukwege, que cuida de mulheres vítimas de estupros na República do Congo, ou Nadia Murad, uma yazidi que fugiu do EI após ser sexualmente escravizadas pelos jihadistas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos