UE apresentará na terça propostas para evitar saída da Grã-Bretanha

Bruxelas, 1 Fev 2016 (AFP) - O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, apresentará na terça-feira as propostas de reforma do bloco para que a Grã-Bretanha permaneça na União Europeia, após 22 horas de negociações.

"Amanhã (à tarde) poderei apresentar uma proposta", declarou Tusk no Twitter a respeito da proposta que os 28 membros do bloco vão discutir em sua cúpula de 18 e 19 de fevereiro.

Tusk acrescentou que houve "progressos nas últimas 24 horas" nas negociações, mas que "ainda há questões a serem resolvidas".

Diplomatas europeus e britânicos mantiveram nesta segunda-feira em Bruxelas intensas e cruciais discussões para alcançar um acordo sobre os pedidos de reforma da União Europeia por parte de Londres.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, não haviam alcançado um acordo na noite de domingo em Londres e decidiram estender as negociações por 24 horas. "Progressos foram registrados a nível técnico e político", mas "ainda não chegamos lá", comentou o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas.

Até o momento apenas um ponto foi fechado, segundo uma fonte europeia, do total de quatro itens da reforma pedida por Cameron, pressionado em seu país pelos eurocéticos de seu próprio partido e pelos anti-europeus do UKIP.

Cameron prometeu organizar uma consulta em seu país sobre a permanência da Grã-Bretanha na UE, mas para acalmar os eurocéticos se lançou em uma cruzada para que seus 27 sócios do bloco europeu aceitem reformas nos tratados.

No domingo, Tusk - que representa 28 membros da UE e tem mandato para negociar - prometeu um "trabalho intensivo nas próximas 24 horas" e estimou a sequência como crucial. Cameron quer obter um acordo com seus sócios na cúpula de 18 e 19 de fevereiro.

Enquanto isso, um porta-voz de Cameron estimou na noite de domingo que foram alcançados muitos progressos desde sexta-feira, quando o primeiro-ministro britânico almoçou com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em Bruxelas.

Quatro reformasCameron exige da UE reformas em quatro setores. A mais controversa delas tem por objetivo desencorajar a imigração intraeuropeia, em particular dos países do Leste do bloco.

Londres quer implantar uma moratória de quatro anos aos migrantes da UE que chegam ao país, durante a qual não poderão receber ajudas estatais.

As negociações buscam uma alternativa para esta medida considerada discriminatória e contrária aos princípios de livre circulação de bens e pessoas, que constitui um princípio fundador da UE.

A solução proposta por Bruxelas seria poder articular um "freio de emergência" que poderia ser ativado em caso de colapso dos serviços públicos britânicos devido à afluência ou se a segurança social for vítima de abusos reiterados.

A respeito, o porta-voz de Cameron celebrou no domingo "um avanço significativo" depois de obter a garantia da Comissão de que a Grã-Bretanha pode ativar este mecanismo "nas circunstâncias atuais".

"O que significa que o primeiro-ministro poderá colocar em prática sua promessa de cortar as vantagens sociais para os trabalhadores da UE por quatro anos", disse.

Cameron também pede garantias de que o reforço anunciado da zona euro não seja feito em detrimento dos países que não são membros da moeda única.

bur-pa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos