Duas grávidas contagiadas com zika na Nicarágua

Manágua, 2 Fev 2016 (AFP) - A Nicarágua registrou nesta terça-feira as duas primeiras mulheres grávidas infectadas com o zika vírus, em meio ao alarme mundial sobre os riscos potenciais de malformações cerebrais em fetos, segundo o governo.

A porta-voz do governo, Rosario Murillo, disse que as duas mulheres estão grávidas de 14 e 15 semanas de gestação. Ao todo, o país contabiliza 15 casos de zika.

Murillo pediu que as mulheres grávidas ou em idade fértil não entrem em pânico, porque nem todas que contraem zika darão à luz uma criança com microcefalia.

Embora a Organização Mundial de Saúde (OMS) aponte o zika como principal suspeito de um aumento incomum nos casos de microcefalia no Brasil, o vínculo não foi demonstrado cientificamente.

Diante desta ameaça, ativistas a favor da descriminalização do aborto terapêutico formularam nas redes sociais um chamado ao governo para revogar a lei que impede às mulheres interromperem a gravidez em casos de riscos para o feto ou a mãe.

A Nicarágua mantém uma intensa campanha contra o mosquito Aedes aegypti, que também transmite a dengue e o chikungunya, por borrifação intra-domiciliar e eliminação dos locais de reprodução.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos