Embaixador turco volta ao Vaticano após polêmica sobre genocídio

Ancara, 4 Fev 2016 (AFP) - A Turquia anunciou nesta quinta-feira sua decisão de enviar um embaixador ao Vaticano depois de ter retirado seu funcionário no ano passado, quando o papa Francisco usou o termo genocídio para referir-se aos massacres dos armênios em 1915.

O ministério turco das Relações Exteriores justificou sua decisão por um declaração publicada na quarta, na qual o Vaticano parabeniza a Turquia por sua vontade de criar junto com a Armênia uma comissão mista de historiadores para estudar os fatos de 1915.

No ano passado, poucos dias depois do centenário dos massacres de 1915, Francisco disse que essa "tragédia é amplamente considerada o primeiro genocídio do século XX".

Suas palavras indignaram as autoridades turcas, que negam a existência de um genocídio.

A Armênia calcula que 1,5 milhão de armênios foram assassinados de maneira sistemática no final do Império Otomano e historiadores de mais de 20 países consideram isso um genocídio.

Já a Turquia afirma que foi uma guerra civil, durante a qual morreram entre 300.000 e 500.000 armênios e o mesmo número de turcos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos