Saída de Laurent Fabius, primeiro passo de reorganização do governo francês

Paris, 10 Fev 2016 (AFP) - A saída do ministro das Relações Exteriores, Laurent Fabius, do governo francês, anunciada por ele mesmo nesta quarta-feira, é o primeiro passo de uma remodelação governamental preparada pelo presidente François Hollande com o objetivo de ampliar sua maioria visando as eleições presidenciais de 2017.

Ao sair do Conselho de Ministros, Fabius respondeu "sim" quando foi perguntado se era a última vez em que participava do encontro.

Pouco depois, Hollande confirmou sua decisão, esperada há tempos, de nomear Fabius para o prestigiado cargo de presidente do Conselho Constitucional.

Sua substituição será um dos elementos importantes da reorganização ministerial que o presidente prepara e que se espera que seja anunciada até o fim de semana.

O presidente busca ampliar sua maioria visando a eleição presidencial de 2017, mas sem mudar suas orientações econômicas liberais ou sua política de segurança.

O nível recorde de desemprego (3,59 milhões de pessoas no fim de 2015) ofusca o horizonte do chefe de Estado, que prometeu que apenas se apresentará a um novo mandato se o nível de emprego se recuperar na França.

Além disso, suas opções políticas em matéria econômica e de segurança são cada vez mais criticadas dentro da esquerda.

A recente renúncia da ministra da Justiça, Christiane Taubira, simboliza este crescente distanciamento de sua ala esquerdista.

Taubira, assim como muitos parlamentares de esquerda, se opõe à proposta de Hollande de inscrever na Constituição a perda de nacionalidade para os franceses condenados por terrorismo.

Por isso, volta a ser levantada a hipótese de um retorno ao governo dos ecologistas, que se retiraram do mesmo em março de 2014 após divergências com o primeiro-ministro Manuel Valls. Agora, a nomeação de ecologistas compatíveis com Valls permitiria a Hollande ampliar sua base eleitoral. O pequeno partido de centro-esquerda Movimento de Radicais de Esquerda também pode entrar na nova equipe.

A COP21, destaque de Fabius na chancelariaFabius, de 69 anos, deixa o ministério das Relações Exteriores carregando o êxito da COP21, a conferência da ONU sobre o clima realizada em Paris em dezembro sob sua presidência, na qual alcançou um acordo internacional.

Sua nomeação no Conselho Constitucional coroa uma longa e excepcional carreira política. Deputado aos 31 anos, ministro de Orçamento aos 34, foi nomeado primeiro-ministro aos 37 em 1984, o mais jovem chefe de governo já nomeado na França. Posteriormente foi duas vezes presidente da Assembleia Nacional e ministro das Finanças.

Em mais de três décadas, Fabius ocupou praticamente todos os altos cargos políticos franceses, com exceção de um, a chefia do Estado.

Enquanto era primeiro-ministro explodiu na França o caso do sangue contaminado com o vírus da Aids, provavelmente o maior escândalo de saúde pública da história do país. Lotes de sangue contaminado foram autorizados pelo Centro Nacional de Transfusões Sanguíneas (CNTS). Vários ministros foram acusados por este caso, entre eles Laurent Fabius, que sempre clamou sua inocência, que foi reconhecida pela justiça em 1999.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos