Editor de Hong Kong é levado contra sua vontade para a China

Hong Kong, 12 Fev 2016 (AFP) - Um editor de Hong Kong, que supostamente está detido na China, foi "levado para o continente contra a sua vontade", denunciou o Reino Unido em uma das declarações mais fortes sobre o caso que abala a ex-colônia britânica.

O desaparecimento de Lee Bo, que tem passaporte britânico, é uma "grave violação" do acordo assinado com Pequim antes da devolução de Hong Kong à China em 1997, declarou Philip Hammond, ministro das Relações Exteriores britânico.

Lee Bo e outros quatro funcionários da editora Mighty Current de Hong Kong, que publica livros críticos ao governo chinês, desapareceram nos últimos meses.

Dos cinco desaparecimentos, o de Lee Bo foi o que mais chocou, porque aconteceu em Hong Kong, onde os serviços de segurança chineses não têm o direito de intervir.

A China confirmou que havia uma investigação criminal envolvendo os quatro colegas de Lee Bo, mas ainda não está claro o que aconteceu com o editor, de 65 anos, cujo paradeiro segue desconhecido.

Lee havia escrito cartas manuscritas a sua esposa, explicando ter viajado voluntariamente para a China para ajudar em uma investigação.

No entanto, deputados e ativistas pró-democracia dizem que ele foi sequestrado em Hong Kong. "Nós não sabemos todos os fatos, mas de acordo com as informações que dispomos, Lee foi levado contra a sua vontade para o continente", escreveu Hammond no informe semestral ao parlamento britânico dedicado a Hong Kong.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos