Papa pede que religiosos não se resignem ante narcotráfico, violência e corrupção

Morelia, México, 16 Fev 2016 (AFP) - O papa Francisco pediu nesta terça-feira aos religiosos mexicanos que não se resignem à violência, ao tráfico de drogas e à corrupção, em uma missa celebrada em Michoacan, estado ocidental aterrorizado há anos pelo cartel Cavaleiros Templários.

"Que tentação pode vir de ambientes muitas vezes dominado pela violência, a corrupção, o tráfico de drogas?", questionou o papa em uma missa festiva diante de milhares de religiosos e seminaristas.

"Confrontados com esta realidade podemos ser vencidos por uma das armas favoritas do diabo: a resignação", disse ele.

Outras trezentas mil pessoas acompanhavam a cerimônia fora do recinto em Morelia, capital de Michoacán (oeste), durante muito tempo considerado um reduto do narcotráfico.

A "resignação não só nos atemoriza, mas nos entrincheira em nossas sacristias e aparentes seguranças", sustentou o papa em um estado com forte tradição religiosa.

Pouco antes, dezenas de milhares de pessoas, a maioria sacerdotes, freiras e seminaristas, receberam Francisco com canto e dança em um estádio abarrotado.

Depois da cerimônia com os religiosos, Francisco embarcou no papamóvel para percorrer as ruas coloniais de Morelia, onde milhares de fiéis o saudavam agitando bandeiras e balões brancos e amarelos, as cores do Vaticano.

"Tomara que com a sua bênção, Deus tenha piedade de nós e que esta gente do tráfico ouça e entenda esta mensagem", disse Alfredo Vazquez, funcionário municipal de 53 anos, após a missa.

Menos otimista, Rosa García, uma dona de casa de 60 anos, comentou: "Eu bão acho que isto vá mudar muito sozinho porque o papa veio. Pode mandar muitas mensagens de paz, mas os criminosos com certeza não escutam, eles fazem dinheiro fácil e não vão deixá-lo".

À tarde, Francisco fez uma rápida visita à majestosa catedral de Morelia para um encontro com 600 crianças com as quais fez uma oração antes de ouvir um coro infantil da localidade.

"Continuem sendo criativos, procurando a beleza e nunca se deixem pisar por ninguém", disse o pontífice às crianças do coral.

A visita do papa a Michoacán, no quarto dia de sua viagem apostólica ao México, ocorre em meio a um forte esquema de vigilância, em uma região onde em 2013 um sacerdote chegou a ter que celebrar a missa usando colete à prova de balas.

Com ameaças que inclusive resultaram em mortes, Michoacán é um dos estados mais perigosos para os padres mexicanos, que não fugiram da violência dos cartéis da droga.

Cerca de 40 padres, seminaristas e leigos religiosos foram assassinados na última década no México.

A violência exercida pela Família Michoacana e o segregado cartel dos Cavaleiros Templários, neste estado, levou em 2013 a que camponeses formassem milícias para se defender destes bandos criminosos, que extorquiam, sequestravam e matavam em diferentes comunidades.

Nos primeiros dias de sua visita ao México, Francisco denunciou o narcotráfico e a corrupção em mensagens destinadas à classe política e aos bispos.

O papa pediu aos sacerdotes e freiras a se arriscarem para transformar a realidade violenta e evitar se tornarem "empregados" ou "funcionários" da empresa de Deus.

Francisco usou o cajado de Vasco de Quiroga, primeiro bispo de Michoacán, que durante a época da colônia dedicou sua vida aos indígenas purépechas da região, que lhe deram o nome de "Tata Vasco".

Na cerimônia, Francisco lembrou que Vasco de Quiroga encontrou "índios vendidos, humilhados e vadios", e usou o caso como exemplo.

Longe de levá-los à tentação da resignação, "moveu sua fé, moveu sua vida, moveu sua compaixão" e fez propostas que foram "um respiro diante desta realidade tão paralisante e injusta".

"Tenho fé que após a visita do papa as coisas vão mudar, que vamos perceber que a violência não é o caminho", declarou José Rodríguez, um trabalhador migrante que viajou para ver o papa de Los Angeles, Califórnia (EUA).

Em setembro de 2006, Michoacán foi notícia quando cinco cabeças humanas apareceram em um bar de Uruapan, na subregião de Tierra Caliente, com a seguinte mensagem: "Esta é a justiça divina", assinada pela Família Michoacana.

O grupo criminoso criou uma "bíblia" que mescla "denúncia social, auto-ajuda e pinceladas cristãs", onde estabelece que seus membros não podem consumir álcool ou drogas, lembra Jaime Rivera, da Universidade Michoacana.

No final de 2010, o cartel se reinventou, adotando o nome de Os Cavaleiros Templários, e tendo como símbolo a cruz vermelha das cruzadas católicas. Os Templários construíram altares e dedicadas a seu ex-líder El Chayo, "San Nazario" (morto em 2014), a quem veneram com orações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos