Testes de virgindade no Afeganistão são violências sexuais, denuncia ONG

Cabul, 1 Mar 2016 (AFP) - Os testes de virgindade aos quais as mulheres afegãs são submetidas por médicos enviados pelo governo são uma violência sexual, denunciou nesta terça-feira a organização Human Rights Watch (HRW).

A condição das mulheres afegãs melhorou desde a queda dos talibãs em 2001, mas a sociedade continua sendo profundamente conservadora e a virgindade feminina segue sendo um valor primordial, disse a HRW.

A lei afegã permite condenar uma mulher a uma pena de "até 15 anos de prisão caso for comprovado que ela manteve relações sexuais antes do casamento".

A Comissão de Direitos Humanos afegã, independente do governo, reuniu-se com 53 mulheres afegãs, oriundas de 12 províncias diferentes e 48 delas afirmaram que foram submetidas a testes de virgindade após terem sido acusadas de relações sexuais antes do casamento.

Os exames foram "realizados por médicos que trabalhavam para o governo", afirma a HRW, citando este estudo.

"Uma mulher contou que seis pessoas estavam presentes na sala no momento do exame", lamentou a ONG norte-americana de direitos humanos.

Estes testes de virgindade são violências sexuais porque são realizados sem o consentimento das mulheres, afirma a ONG, que convidou o presidente afegão Ashraf Ghani a abolir a norma que autoriza a prática.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos