Conselho de Segurança da ONU aprova duras sanções contra Coreia do Norte

Nações Unidas, Estados Unidos, 2 Mar 2016 (AFP) - O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou nesta quarta-feira uma nova série de duras sanções contra a Coreia do Norte pelos últimos testes nuclear e balístico realizados pelo regime comunista.

Esta resolução do Conselho, apresentada pelos Estados Unidos e adotada por unanimidade pelos 15 membros do organismo, inclui a China, único aliado de Pyongyang.

O presidente americano, Barack Obama, saudou nesta quarta-feira a adoção das sanções, e estimou que isso envia a mensagem de que Pyongyang deve abandonar seu programa de armas de destruição em massa.

A resolução unânime do Conselho é uma "resposta firme, unida e apropriada da comunidade internacional" aos últimos testes nuclear e balístico realizados pelo regime comunista, disse.

"A comunidade internacional, com uma só voz, enviou a Pyongyang uma mensagem simples: a Coreia do Norte deve abandonar estes perigosos programas e escolher um caminho melhor para seu povo", acrescentou o presidente.

A embaixadora americana nas Nações Unidas declarou ao Conselho que, enquanto o povo norte-coreano sofre de fome, Pyongyang embarca em uma corrida armamentista.

Esta corrida representa "uma ameaça extraordinária e crescente para a paz e a segurança", insistiu Samantha Power.

O embaixador sul-coreano Oh Joon disse que Pyongyang gastou 4 bilhões de dólares em seu programa bélico e argumentou que este dinheiro poderia ter coberto "40 anos" de ajuda humanitária.

"Simplesmente dói em mim, dói em todos, pensar como o regime foi desenvolvendo armas com pessoas que passam fome", acrescentou.

Pela primeira vez, países membros da ONU deverão inspecionar todas as mercadorias provenientes de, ou com destino à Coreia do Norte.

Também deverão proibir os navios suspeitos de transportar cargas ilegais para a Coreia do Norte façam escala em seus portos.

A resolução também impõe mais restrições às exportações norte-coreanas para limitar a capacidade do regime de financiar seus programas militares. Proíbem as exportações de carvão, ferro, minério de ferro, ouro, titânio e outros minerais da Coreia do Norte.

As sanções também incluem o fornecimento de combustível para aviões e foguetes.

Por outro lado, os Estados membros da ONU deverão expulsar os diplomatas norte-coreanos envolvidos no contrabando ou qualquer outra atividade ilegal.

Relógios de luxo, motos, embarcações e outros artigos de luxo não podem ser vendidos à Coreia do Norte, uma medida que se dirige à elite de Pyongyang.

Estas sanções "estão entre as mais duras adotadas contra um país", declarou, por sua vez, o embaixador britânico Matthew Rycroft. "Marca uma mudança significativa de postura no Conselho de Segurança", acrescentou.

As negociações entre os Estados Unidos e a China duraram sete semanas para chegar a um acordo sobre o pacote de sanções, mas o impacto real das medidas dependem em grande parte de como Pequim as implementará.

O Japão e a Coreia do Sul também pressionaram os membros do Conselho em favor de sanções mais fortes do que aquelas em vigor desde 2006.

A China teme que exercer mais pressão sobre o regime possa causar o seu colapso e criar o caos na sua fronteira.

As negociações sobre um aumento das sanções coincidiram com o anúncio da Coreia do Sul e dos Estados Unidos de planos para implantar um novo sistema de defesa antimísseis na península coreana.

"Os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão pararam de externalizar através da China sua política em relação a Coreia do Norte", considera Roberta Cohen, especialista em Coreia do Norte no Brookins Institution.

A China, e em menor grau a Rússia, "vão encontrar, como sempre, rachaduras", para evitar a plena aplicação das sanções da ONU, afirma Cohen.

Mas Pequim "avalia a evolução das fortes alianças militares entre os Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão e percebe que não pode continuar no caminho atual", acrescenta.

O embaixador chinês, Liu Jieyi, disse que a resolução deverá "ser um novo ponto de partida e um trampolim" para retomar as conversações com o objetivo de desmantelar o programa nuclear norte-coreano.

A Rússia compartilhou o ponto de vista chinês. O embaixador russo, Vitaly Churkin, disse que as sanções buscam "parar o máximo possível o financiamento" do programa nuclear para pressionar a Coreia do Norte a negociar.

O Departamento do Tesouro americano, por sua vez, anunciou sanções contra duas entidades e dez pessoas vinculadas ao programa norte-coreano, enquanto o Departamento de Estado acrescentou três entidades e dois indivíduos à sua lista negra de sancionados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos