Jornal de oposição turco sob tutela judicial adota linha pró-governo

Ancara, 6 Mar 2016 (AFP) - O jornal turco Zaman, crítico ao presidente Recep Tayyip Erdogan, publicou neste domingo sua primeira edição desde que foi colocado sob tutela judicial, adotando uma linha editorial totalmente pró-governamental.

Na primeira página deste domingo, um artigo sobre um ambicioso projeto do governo de construção de uma ponte que unirá as partes asiática e europeia de Istambul substituiu as habituais críticas.

"Não temos internet e não podemos utilizar nosso sistema", disse à AFP um dos jornalistas da publicação. "A edição deste domingo não foi feita pelos funcionários do Zaman", acrescentou.

Também ocupava a primeira página uma foto de Erdogan dando a mão a uma idosa, e abaixo dela era anunciado que o chefe de Estado receberá mulheres na próxima semana, por ocasião do Dia da Mulher.

O jornal de oposição Zaman foi alvo de uma intervenção na noite de sexta-feira e foi colocado sob tutela judicial, em um novo caso de repressão na Turquia contra os meios de comunicação.

A nova administração nomeada pelas autoridades turcas demitiu o chefe de redação do grupo, Abdülhamit Bilici, segundo vários meios de comunicação.

A tomada de controle deste jornal gerou preocupação nos Estados Unidos e na União Europeia, que pediram que Ancara respeite a liberdade de imprensa.

"Não se trata de um ato político, mas jurídico. A Turquia é um Estado de Direito", declarou, no entanto, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu.

O grupo Zaman, também dono da agência de notícias Cihan e do jornal em inglês Today's Zaman, é conhecido por suas posições próximas ao imã Fethullah Gulen, inimigo número um de Erdogan desde a explosão de um escândalo de corrupção que atingiu as altas esferas do Estado, no fim de 2013.

O presidente turco acusa Gulen, de 74 anos, de estar por trás das acusações de corrupção que enfrentou há dois anos e de ter criado um "Estado paralelo" para derrubá-lo. Os partidários de Gulen negam as acusações.

Desde este escândalo, as autoridades turcas multiplicaram as punições, especialmente dentro da polícia e da justiça, e realizaram ações judiciais contra os partidários de Gulen e seus interesses financeiros.

E, há vários meses, tanto a oposição turca quanto ONGs de defesa dos meios de comunicação e outros países expressam sua inquietação diante da crescente repressão de Erdogan e de seu governo da imprensa.

Dois jornalistas do jornal opositor Cumhuriyet, Can Dundar e Erdem Gul, serão julgados no fim de março por terem informado sobre fornecimentos de armas de Ancara a rebeldes islamitas na Síria.

Os dois repórteres foram libertados há uma semana depois de passarem três meses na prisão, mas correm o risco de ser condenados à prisão perpétua.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos