Vaticano retoma julgamento do escândalo Vatileaks

Cidade do Vaticano, 7 Mar 2016 (AFP) - O Vaticano retoma na próxima segunda-feira o polêmico julgamento de cinco pessoas, entre elas dois jornalistas italianos e um sacerdote espanhol, acusadas de divulgar documentos confidenciais sobre má gestão de recursos e desperdício na Santa Sé.

Uma sessão particular a portas fechadas foi organizada no sábado com especialistas e juízes, sem a presença dos acusados, durante a qual foi examinada uma série de assuntos técnicos.

O julgamento propriamente dito, com os acusados presentes, será retomado em 14 e 15 de março, informou à AFP o porta-voz adjunto da Santa Sé, Greg Burke.

O sacerdote espanhol Lucio Ángel Vallejo Balda, de 54 anos, que está em prisão domiciliar no Vaticano, a consultora italiana Francesca Immacolata Chaouqui, de 34 anos, e um colaborador de Vallejo, Nicola Maio, de 37 anos, foram acusados de formação de "associação criminosa" com a finalidade de divulgar notícias e documentos confidenciais aos quais tinham acesso graças ao próprio cargo no Vaticano.

Os dois jornalistas, os italianos Gianluigi Nuzzi e Emiliano Fittipaldi, autores de livros sobre a corrupção na Cúria Romana, lançados em 5 de novembro passado, foram acusados de "divulgação ilícita" de documentos confidenciais.

Trata-se da primeira vez que o menor Estado do mundo processa dois jornalistas, algo que a imprensa italiana qualificou de "nova Inquisição".

A divulgação de documentos reservados "contra a segurança do Estado" é um crime introduzido pelo papa Francisco, em julho de 2013 e é punido com uma pena de 4 a 8 anos de prisão.

O julgamento foi interrompido no final de novembro para permitir aos juízes coletar e estudar diversos documentos e esclarecer o papel dos acusados.

Em novembro, o advogado de Chaouqui obteve que se apresente como testemunha a seu favor ao número dois da Santa Sé, o cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado.

Ao contrário de quando estourou em 2012 o escândalo do 'Vatileaks', sob o pontificado de Bento XVI, os documentos não foram roubados do escritório do pontífice por seu mordomo, mas provêm das pessoas designadas pelo próprio papa Francisco para reformar as finanças.

O julgamento afeta indiretamente a Francisco, comprometido em uma difícil reforma da Cúria, a máquina central do Vaticano, envolvida em escândalos por corrupção e abuso de poder.

Segundo a imprensa italiana, o papa quer chegar a um veredicto rapidamente, tal como permitido pelas leis do Vaticano.

bur-kv/eg/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos