Grupo Estado Islâmico possui 5.000 combatentes na Líbia

Roma, 9 Mar 2016 (AFP) - O chanceler italiano, Paolo Gentiloni, declarou nesta quarta-feira que o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) possui 5.000 combatentes na Líbia, um grande número que reforçaria a sua presença neste país mergulhado no caos desde 2011.

"Atualmente, existem 5.000 combatentes do Daesh (EI em árabe), concentrados na área de Sirte, mas capazes de fazer incursões perigosas" no oeste e leste da Líbia, afirmou o chefe da diplomacia italiana.

Fontes francesas e americanas estimam entre 3.000 e 5.000 o número de combatentes na Líbia, incluindo centenas de tunisianos, sudaneses, iemenitas e nigerianos que faziam parte do grupo extremista Boko Haram.

Na segunda-feira, o grupo jihadista organizou na Tunísia ataques simultâneos contra um quartel do exército, uma delegacia e um posto da Guarda Nacional em Ben Guerdane, uma cidade de 60.000 habitantes, localizada a poucos quilômetros da Líbia.

Cinquenta e cinco pessoas foram mortas nos combates, incluindo 36 extremistas, de acordo com o primeiro-ministro tunisino Habib Essid.

A Itália é o país favorito para liderar uma força internacional para parar o grupo EI do país, devido à sua proximidade geográfica com a Líbia.

No entanto, o ministro das Relações Exteriores reiterou uma vez mais as condições para a adoção de tal compromisso.

"Estamos trabalhando para responder rapidamente a um possível pedido do governo da Líbia, nada mais e nada menos, conforme previsto na Constituição e só depois de receber autorização do Parlamento" italiano, explicou o ministro.

Intervenções militares "não são a solução e às vezes podem agravar o problema", lembrou Gentiloni.

ljm-kv/jz/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos