Vice-presidente americano se reúne com líderes israelense e palestino

Jerusalém, 9 Mar 2016 (AFP) - O vice-presidente americano, Joe Biden, criticou nesta quarta-feira, em Jerusalém, os líderes palestinos que se recusam a condenar a violência contra israelenses que acompanha sua visita desde sua chegada na terça.

Os Estados Unidos "condenam esses atos e condenam aqueles que não os condenam", declarou Biden à imprensa ao lado do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

O chefe de Estado israelense pediu para que a comunidade internacional condenasse o silêncio observado, segundo ele, pelo presidente palestino, Mahmud Abbas.

Biden deve se reunir com Abbas em Ramallah no início da noite.

Israel, Jerusalém e os territórios palestinos registraram desde o início da visita de Biden pelo menos seis ataques anti-israelenses que fizeram um morto - um turista americano - e uma dúzia de feridos. Sete agressores palestinos foram mortos, segundo a polícia.

Um desses ataques, registrado na terça-feira, ocorreu em Tel Aviv a poucos minutos de distância de onde Biden era recebido pelo ex-presidente Shimon Peres. "Minha esposa e dois dos meus netos estavam jantando na praia não muito longe de onde aconteceu" o incidente, relatou Biden.

Nesta quarta de manhã, dois palestinos de 20 anos abriram fogo contra um ônibus em um setor ultra-ortodoxo judaico, e depois perto da Cidade Velha de Jerusalém Oriental, parte palestina de Jerusalém anexada e ocupada por Israel. Os dois atacantes foram mortos.

Um homem de 50 anos, talvez um palestino, ficou gravemente ferido nos tiroteios. A polícia procura determinar se a vítima foi atingida por projéteis dos atacantes ou da polícia.

'Deve parar'Na Cisjordânia ocupada, um palestino foi morto depois que tentou esfaquear membros das forças israelenses, segundo o exército.

As autoridades de segurança israelenses disseram que os ataques não parecem coordenados, mas não excluíram a possibilidade de a visita de Biden ter dado ideias a alguns.

"Esse tipo de violência que vimos ontem, a ausência de condenação (da violência), a retórica que encoraja a violência, as represálias que suscita, tudo isso deve parar", disse Biden.

Após os novos ataques, o governo israelense decidiu acelerar a construção da barreira de segurança em torno de Jerusalém e na Cisjordânia, segundo autoridades do governo.

Os territórios palestinos e Jerusalém são cenário desde 1º de outubro passado de uma onda de violência que deixou 188 palestinos, 28 israelenses, dois americanos, um eritreu e um sudanês mortos.

O conflito entre Israel e Palestina foi anunciado como um dos temas na agenda de Biden, bem como a situação na vizinha Síria, o Irã e a renovação da ajuda militar americana a Israel por dez anos.

Neste contexto, Biden afirmou que os Estados Unidos tomarão medidas se for confirmado que o Irã usou mísseis balísticos de longo alcance.

"Quero reiterar isso, já que sei que há pessoas que ainda duvidam. Se eles romperem o acordo, vamos agir", assinalou Biden, referindo-se ao acordo nuclear alcançado em julho de 2015.

Mas sobre o conflito israelense-palestino, relegado a uma posição secundária nas prioridades americanas, a Casa Branca já havia indicado que o vice-presidente não apresentaria uma nova iniciativa.

Desta forma, as perspectivas de uma solução para o conflito parecem mais distantes do que nunca.

Netanyahu voltou a criticar o presidente palestino por não condenar os ataques e denunciou a "incitação permanente ao ódio na sociedade palestina que glorifica a matança de inocentes".

No entanto, os israelenses temem que a administração Obama, por falta de avanços no conflito israelense-palestino, rompa com o apoio histórico a Israel em instâncias internacionais como no Conselho de Segurança da ONU.

As relações entre os governos de Obama e de Netanyahu são notoriamente tensas, apesar das tentativas de assegurar a força da aliança entre os dois países.

"Nunca duvidem do apoio dos Estados Unidos a Israel", garantiu Biden.

Os dois homens nada disseram sobre a decisão de Netanyahu de declinar o convite para um encontro com o presidente Barack Obama em 18 de março.

Por fim, o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault, afirmou que seu país não reconhecerá "automaticamente" um Estado palestino em caso de fracasso de um proposta de organizar uma conferência internacional para relançar o processo de paz. Israel já rejeitou a iniciativa.

bur-lal/jri/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos