Trump alerta para confrontos, se não for candidato republicano

Washington, 17 Mar 2016 (AFP) - O pré-candidato Donald Trump advertiu nesta quarta-feira que podem acontecer "distúrbios" e "coisas ruins" caso o Partido Republicano rejeite indicá-lo como candidato na corrida presidencial, após ter conquistado a maioria dos delegados nas primárias realizadas até o momento.

"Acho que haverá distúrbios. Acho que haverá distúrbios, porque represento uma quantidade enorme, de milhões de pessoas", declarou o magnata à CNN.

"Estamos na frente de todos (os outros candidatos republicanos). Não acredito que alguém possa dizer agora que não somos capazes de conseguir (a indicação partidária) automaticamente", comentou nesta quarta.

A tensão ficou evidente quando Trump revelou, nesta quarta-feira, que não participará do próximo debate previsto entre os candidatos republicanos. Pouco depois, o debate foi simplesmente cancelado.

Após a saída do senador Marco Rubio, derrotado em seu estado natal da Flórida, Trump tem agora apenas dois adversários: o senador texano Ted Cruz e o governador de Ohio, John Kasich.

A direção republicana segue abertamente bloqueando o avanço de Trump e apoiando um pré-candidato alternativo: primeiro foi Jeb Bush, depois Rubio e agora Kasich.

No momento, Trump conta com 646 delegados, o ultraconservador Ted Cruz, 397, e Kasich tem 142 delegados.

Cruz, o favorito da direita religiosa americana, também é um adversário declarado da direção do partido.

Na última semana, Trump passou a repetir que sua candidatura significou a chegada de "milhões e milhões" de novos eleitores ao Partido Republicano e que essa tendência, manifesta - segundo ele - em suas vitórias nas prévias, não pode ser ignorada pelo partido.

Sem nunca ter ocupado um cargo público, o empresário domina a corrida republicana apoiado em um estilo incendiário e em uma inesperada popularidade que vem atraindo milhões de americanos.

De acordo com Trump, seus simpatizantes estão enfurecidos com um sistema político e econômico que consideram projetado para prejudicá-los.

"São pessoas que nunca votaram antes, porque não acreditam no sistema, ou não gostam dos candidatos. Têm 40, 50, 60 anos e nunca votaram. Recebo pessoas que são independentes, ou democratas", afirmou.

"Por isso, se dizem 'olha, sinto muito, mas faltam 100 votos para você', embora para o outro faltem 500, acho que teremos problemas como nunca vistos antes. Acho que podem acontecer coisas desagradáveis, de verdade", declarou à rede CNN.

Trump garantiu que ele próprio "não estaria à frente de uma coisa dessas, mas acho, de verdade, que coisas ruins podem acontecer".

Ele disse preferir "não pensar nisso por enquanto, quando estou ganhando por um montão de votos".

Trump segue confiante rumo à indicação do Partido Republicano, após a realização de uma nova "Super Terça" nas prévias dos Estados Unidos, apesar de ter sofrido uma derrota em Ohio.

O magnata de 69 anos venceu em Illinois, Carolina do Norte e Flórida, onde sepultou as aspirações do jovem senador deste estado, Marco Rubio, que imediatamente anunciou a retirada de sua candidatura.

vog-sg/jm/cn

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos