Apple e Washington se enfrentam na justiça por controle de privacidade do iPhone

Los Angeles, 21 Mar 2016 (AFP) - A Apple e o governo dos Estados Unidos continuarão nesta terça-feira perante um tribunal da Califórnia sua batalha pelo desbloqueamento de um iPhone, uma nova briga que pode ter consequências importantes para a segurança cibernética e a proteção de dados pessoais.

Depois de semanas de ordens judiciais e midiáticas polêmicas, um juiz federal vai decidir se é válido o pedido das autoridades para que a Apple desbloqueie o telefone de um dos autores dos atentados de San Bernardino (Califórnia, oeste), onde morreram 14 pessoas no início de dezembro.

"É uma luta sobre o futuro da vigilância de alta tecnologia e confiança na infra-estrutura em que o software é baseada nos ecossistemas", escreveu Julian Sanchez, especialista em leis de vigilância do liberal Instituto Cato em Washington.

De acordo com o analista, trata-se de saber "o quanto as empresas de tecnologia e desenvolvedores de software podem ser forçados a piratear suas próprias ferramentas a pedido dos governos".

A audiência nesta terça-feira em Riverside, a leste de Los Angeles, é "a face pública de um conflito que certamente vai continuar em segredo e provavelmente já estava acontecendo há algum tempo", acrescentou.

O grupo de Cupertino, apoiado por uma coalizão de empresas de tecnologia como Google, Facebook e Yahoo!, entende que o FBI utiliza a investigação sobre o massacre de 2 de dezembro para forçar a Apple a criar uma "porta dos fundos" (um acesso secreto aos equipamentos criptografados, ndlr) que pode ser usado em todos os iPhones.

A Apple também argumenta que o governo excede seus direitos quando invoca a chamada All Mandados Act, uma lei de 1789 que dá aos tribunais o poder de emitir injunções para forçá-la para desbloquear o telefone.

Ao emitir sua decisão sobre o caso, o tribunal deve levar em conta o "contexto mais amplo" do debate sobre dados pessoais, garante a empresa.

- A chave mestra -O governo responde que a Apple não está acima da lei e que a ordem judicial só pretende que a empresa auxilie tecnicamente na investigação desbloqueando o iPhone 5C de Sayed Farook, autor do massacre ao lado da esposa, Tashfeen Malik.

"É uma forma limitada, com um objectivo específico (...). O governo e as pessoas têm de saber o que está no telefone do terrorista, e o governo precisa da ajuda da Apple para descobrir", escreveram os advogados do Departamento de Justiça ao tribunal.

Mas as empresas de tecnologia, especialistas em segurança e ativistas de direitos civis temem que isso crie um precedente que iria obrigar as empresas a fornecer dados de seus clientes sempre que as autoridades solicitem.

"Não é por nada um processo relativo a este telefone em particular", rebate Julian Sanchez, em entrevista à AFP.

"A preocupação é o que vai acontecer depois, quando ficar estabelecido como princípio legal que o governo pode não somente simplesmente pedir para as empresas que transmitas informações, o que fazem há algum tempo".

Sanchez acrescentou que isso seria basicamente como dar ao governo uma "chave-mestra" para todos os dispositivos eletrônicos.

"Não se trata apenas do risco à privacidade. Esta é a chave para elementos que têm recursos básicos de segurança (...). Começar isso é terrivelmente perigoso".

Os dois autores dos ataques de San Bernardino destruíram seus outros dois telefones, mas deixaram intactos o iPhone profissional de Farook Sayed, e muitos analistas sugerem que este telefone não deve ter qualquer informação que possa ajudar o FBI.

A audiência desta terça-feira deve durar cerca de três horas, durante a qual cada parte vai apresentar seus argumentos. No entanto, não se espera que o tribunal tome uma decisão imediatamente. O caso deve se estender por vários meses.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos