Espanha investiga acidente em que morreram 13 estudantes estrangeiras

Tortosa, Espanha, 21 Mar 2016 (AFP) - Investigadores espanhóis tentavam, nesta segunda-feira, estabelecer as causas de um acidente de ônibus em que morreram 13 estudantes universitárias estrangeiras, a maioria de nacionalidade italiana, enquanto familiares das vítimas chegavam, emocionados, ao local, onde também esteve presente o premiê da Itália, Matteo Renzi.

As autoridades da Catalunha, região do nordeste do país onde ocorreu a tragédia, no domingo, anunciaram a nacionalidade das vítimas em Tortosa, perto do local do acidente, 180 km ao sul de Barcelona.

"A mais jovem tinha 19 anos e a mais velha, 25", informou o secretário do Interior, Jordi Jané. "Eram sete da Itália, duas da Alemanha, uma da Romênia, uma da Áustria, uma da França e uma do Uzbequistão", explicou.

Estudantes universitárias que participavam do programa de intercâmbio europeu Erasmus, elas retornavam a Barcelona de madrugada, debaixo chuva, juntamente com outros 260 jovens, após passar o sábado festejando nas tradicionais Fallas de Veneza, onde anualmente dezenas de esculturas de madeira queimam em imensas fogueiras.

O ônibus em que viajavam era o último de um comboio de cinco. O motorista, de 62 anos e muito experiente, será investigado por suspeita de homicídio por imprudência, mas não pôde depor porque está internado em estado grave, explicou Jané.

Ele perdeu o controle do veículo às 06H00 locais (02H00 de Brasília).

"De repente, deu uma guinada no volante, cruzou todas as pistas, cruzou o canteiro e fica atravessado na via sentido Valencia" antes de tombar, explicou Jané.

Em mensagem do bispo de Tortosa, o Vaticano transmitiu "o sentimento de pêsames" do papa Francisco às famílias.

Na tarde de segunda-feira, Renzi foi ao local para acompanhar os familiares que chegavam emocionados e visitar os hospitalizados. "Vim dar apoio, afeto e a emoção que todos os italianos sentem", publicou no Facebook.

"Mandei minha filha tranquilo a este país amigo e a devolvem morta", lamentava o italiano Alessandro Saracino, em declarações à imprensa.

"Dirigir debaixo da chuva, às quatro da manhã, não é seguro", criticou.

O acidente ocorreu em um ponto cego da estrada, denunciou a Associação Estatal de Vítimas de Acidentes em um comunicado.

As autoridades descartaram esta opção e atribuíram o acidente a um problema técnico ou a erro humano. "Respeitaram-se os tempos de descanso que o tacógrafo marca", aseguró Jané. "Outra coisa é se, durante os tempos de descanso, o motorista descansou o suficiente ou não", acrescentou.

Juntamente com o motorista havia outros 23 hospitalizados: 16 mulheres e 7 homens entre 20 e 34 anos de treze países europeus. "Seis pessoas estão em situação grave e só um paciente se encontra em estado crítico", afirmou o encarregado da Saúde, Toni Comín.

Os outros 26 passageiros voltaram a Barcelona.

dbh-acc/ds/lmm/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos