Degelo com Cuba deverá sobreviver a Obama

Washington, 23 Mar 2016 (AFP) - O que acontecerá com as iniciativas diplomáticas de Barack Obama depois do final de seu mandato? No caso do Irã ou da mudança climática não se exclui uma brusca mudança de rumo, mas a abertura em relação a Cuba deve ser mantida.

Seja de pé na Praça da Revolução, com o retrato de Che Guevara ao fundo, e ao lado de Raúl Castro em um estádio de beisebol, as imagens de Obama na Havana enfurecem os ferozes detratores do governo comunista.

O Comitê Nacional do Partido Republicano falou de um "erro histórico", e o senador Ted Cruz, aspirante presidencial de ascendência cubana, menciona "um dia triste para a história dos Estados Unidos".

Todos as mudanças introduzidas desde o surpreendente anúncio de dezembro de 2014 foram decididas sem nenhum voto do Congresso americano, e poderão ser canceladas com uma canetada em 20 de janeiro de 2017, quando o sucessor de Obama chegar ao Salão Oval.

O embargo de meio século que impede os americanos de investir e relacionar-se com Cuba continua em vigor.

A hipótese de uma guinada de 180º parece a cada dia que passa menos realista.

A princípio, ninguém em Washington imagina que o novo ocupante da Casa Branca rompa novamente as relações com Havana, que foram restabelecidas em julho passado depois de 55 anos de rivalidade e desconfiança.

Obviamente, a principal explicação é econômica.

Turismo, infraestrutura, comunicações: corporações como Sheraton, AT&T, United Airlines, American Airlines e muitas outras lançaram uma forte ofensiva, atraídas pelo potencial de um país de 11 milhões de habitantes situado a menos de 200 km da Flórida.

A mão estendida por Obama aos cubanos tem sido bem recebida pelos próprios americanos.

Segundo uma pesquisa realizada pela rede CBS e pelo jornal The New York Times, seis americanos de cada 10 estimam que o restabelecimento das relações com Cuba é bom para os Estados Unidos.

Na opinião de Ted Piccone, especialista da América Latina no instituto Brookings, este novo estado de espírito que se constata inclusive entre os cubano-americanos - que por muito tempo foram hostis a qualquer diálogo com a ilha - servirá como um "freio" a uma mudança de rumo.

"Pode ser que vejamos alguma suspensão de atividades, ou alguma desaceleração, mas não acho que possamos ver uma reversão", disse.

Os Castro fora de cenaDos cinco candidatos ainda na corrida pela Casa Branca - dois democratas e três republicanos - apenas o senador ultraconservador Ted Cruz, que com insistência debocha dos "esquerdistas que querem fazer peregrinação" a Cuba, continua atado à velha política de ruptura.

"Em Cuba, os Castro foram inimigos implacáveis dos Estados Unidos por mais de meio século. É de nosso maior interesse nos juntar aos valentes cidadãos que se opõem a eles", disse recentemente.

A família Castro poderá deixar em breve o cenário político cubano.

Raúl Castro, de 84 anos, assumiu o lugar de seu irmão mais velho, Fidel, há uma década, e já adiantou que deixará o poder em 2018, um ano depois de o sucessor de Obama chegar à Casa Branca.

Hillary Clinton ou Bernie Sanders, ambos democratas não surpreenderam se mantiverem a política de aproximação, mas, caso o presidente seja Donald Trump, o polêmico milionário já manifestou que prefere um "acordo melhor".

"Cinquenta anos já são suficientes. O conceito da abertura de Cuba está bom", disse Trump no início de sua campanha, embora tenha opinado que é possível obter um "acordo melhor", uma ideia que o aspirante aplica também aplica em relação a México, China, Japão e Irã.

Em geral em matéria de política exterior, Trump manda sinais contraditórias sobre Cuba e a presença de Obama em Havana.

"Acredito que sua política abre dúvidas. Mas Trump vem do mundo dos negócios, e essa comunidade é muito mais favorável a ter capacidade de abrir novas oportunidades", disse Richard Feinberg, também do instituto Brookings.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos