Morte de ente querido aumenta risco cardíaco

Paris, 5 Abr 2016 (AFP) - O falecimento de um ente querido aumenta, sensivelmente, o risco de transtornos do ritmo cardíaco até um ano depois do ocorrido - revela um estudo publicado nesta quarta-feira.

No passado, uma série de estudos demonstrou que o risco de ataque cardíaco, ou de acidente vascular cerebral (AVC), aumentava nas semanas seguintes à morte de um parente.

Até hoje, não se havia demonstrado um vínculo com a fibrilação auricular, um transtorno do ritmo cardíaco relativamente frequente e que aumenta com a idade.

Em um estudo publicado na revista médica Open Heart, ligada ao British Medical Journal (BMJ), os investigadores demonstraram que o risco de fibrilação auricular alcança um máximo nos viúvos com menos de 60 anos e quando o falecimento é inesperado.

Ao estudar os casos de 88.000 pessoas que sofriam essa patologia entre 1995 e 2014 e compará-los com um grupo de controle de pessoas em boa saúde, os pesquisadores descobriram que o risco de arritmia cardíaca era 41% superior para aqueles que perderam um ente querido, em comparação com os que não passaram por isso.

Segundo o estudo, o risco é máximo entre 8 a 15 dias depois da morte de um parente e diminui progressivamente até alcançar o das pessoas não enlutadas ao fim de um ano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos