Ex-presidente da Câmara dos EUA é acusado de abuso de menores

Washington, 9 Abr 2016 (AFP) - Dennis Hastert, ex-presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, foi acusado de abusar de ao menos cinco crianças há várias décadas, quando era professor de educação física em uma escola de ensino médio de Illinois, anunciaram os procuradores ao revelar os detalhes do caso.

O republicano, de 74 anos, se declarou culpado em outubro de ter retirado do banco 1,7 milhão de dólares de maneira ilegal, através de um esquema financeiro, ao longo de quatro anos e meio, com os quais, segundo a acusação, comprou o silêncio de suas vítimas.

As acusações sobre abusos prescreveram há muito tempo, já que as ações com os menores ocorreram entre os anos 1960 e 1980, quando Hastert era professor e técnico de luta na Yorkville High School, Illinois.

Os procuradores revelaram na sexta-feira pela primeira vez os detalhes dos abusos cometidos por Hastert, que foi presidente da Câmara de Representantes e, portanto, segundo na linha de sucessão presidencial nos Estados Unidos, entre 1999 e 2007.

Os abusos cometidos por Hastert consistiam em "tocar intencionalmente a virilha e os órgãos genitais dos menores ou sexo oral com um menor", de acordo com os procuradores.

Algumas das vítimas tinham apenas 14 anos.

Por seu estado de saúde, não está previsto que sua pena supere os seis meses de prisão, explicaram os procuradores, que ressaltaram que Hastert seguirá recebendo atendimento médico durante os meses de detenção.

Hastert submeteu em duas ocasiões duas destas crianças a uma sessão de massagens nos vestiários que derivou em um ato sexual, cuja natureza não foi informada, segundo a acusação.

Um dos adolescentes contou que seu treinador se sentava em uma cadeira reclinável a partir da qual tinha "uma vista direta das duchas dos vestiários enquanto os jovens tomavam banho".

Uma das vítimas, Stephen Reinboldt, que morreu em 1995, sofreu as ações de Hastert durante todo o seu período escolar nesta instituição, entre 1967 e 1971, segundo sua irmã.

Hastert também teria concordado em pagar 3,5 milhões de dólares à mais jovem de suas vítimas, identificada como o "Indivíduo A", como compensação pelos maus-tratos sofridos, mas a quem só chegou a pagar 1,7 milhão entre 2010 e 2014, em pagamentos regulares que pararam quando o ex-legislador começou a ser investigado.

Os procuradores afirmam que o dinheiro foi utilizado para pagar o "Indivíduo A" depois que Hastert fez a vítima permanecer em seu quarto de motel durante um acampamento de luta livre e a obrigou a massageá-lo.

"O acusado utilizou sua posição de confiança como professor e técnico para tocar os órgãos genitais da vítima e então se despir e pedir à criança uma massagem nas costas em um quarto de motel", declararam os procuradores.

"Não há ambiguidade; o acusado abusou sexualmente do Indivíduo A", completaram.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos